quinta-feira, 8 de julho de 2010

É censura? Sim. É grave? Há pior. Mas...

Por uma vez, não concordo com o Ludwig Krippahl. Ele acha que não há censura se uma empresa multinacional decidir encerrar uma das suas filiais por discordar dos conteúdos (e por razões, presume-se, de sensibilidade religiosa). Diz que «é uma decisão livre de uma empresa privada». Será. Mas justamente.

A censura não é sempre exercida pelo Estado ou pelas comunidades religiosas. É de censura que se trata quando uma empresa impede os seus funcionários de a criticarem em público, ou quando impede a circulação da mensagem política ou religiosa X ou Y dentro da empresa. Os jornalistas da Playboy portuguesa poderiam, se esta encerrasse (o que foi desmentido nas últimas horas), continuar a publicar combinações de barbudos e mamalhudas (sugestão para o próximo ensaio: Maomé e as 72 «virgens»). Apenas não o poderiam fazer com a marca da Playboy no cabeçalho (embora eu imagine que o Ludi os apoiasse se enveredassem por essa violação dos direitos de propriedade industrial). Mas seria censura porque uma publicação periódica fora impedida de prosseguir uma determinada linha editorial.

Não seria, evidentemente, dos casos de censura mais graves (proibir a venda seria muito pior). Continuaria a ser uma decisão privada de uma empresa privada. Mas o Ludwig deveria reflectir sobre se ainda haveria liberdade de expressão num país em que todas as empresas de comunicação social pertencessem a comunidades religiosas (ou se deixassem condicionar por elas).

5 comentários :

  1. "Mas seria censura porque uma publicação periódica fora impedida de prosseguir uma determinada linha editorial."

    Mas a publicação pode prosseguir! Nada impede a redacção portuguesa de continuar a editar, mas não sob a capa da Playboy. Playboy é uma imagem de marca e quem a possui tem todo o direito de ditar a sua política de mercado, quer gostemos dela ou não.

    ResponderEliminar
  2. O Ludwig confunde "censura" com "atentado à liberdade de expressão".

    O dicionário é bastante claro: se eu tenho um jornal, e impeço um jornalista pago por mim de escrever algo, podemos dizer que estou no meu direito. Mas é, objectivamente, censura.

    ResponderEliminar
  3. you just brought the religion argument, to a theme that had
    plenty other censors,
    absolutely mention of the subject relegion.
    I'm sure your damn proud of yourself.
    everybody changing or deleting
    words or ideas
    sometimes a proper perspective does wonders

    ResponderEliminar
  4. Relegio Religio
    de la liturgie de la haine par sa trés grande richesse poétique

    ResponderEliminar
  5. "sugestão para o próximo ensaio: Maomé e as 72 «virgens»"

    mas que ideia extraordinariamente brilhante!!!

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.