quinta-feira, 8 de julho de 2010

Concordo com Vasco Graça Moura

  • «Pode-se estar a atravessar a mais profunda das crises, podem ocorrer as piores catástrofes, podem dar-se as desgraças mais sinistras, que nada ultrapassa a importância do que vai acontecendo com clubes, treinadores, jogadores, árbitros, ligas, transferências, competições, lesões, meniscos e mais coisas assim. Ninguém pestaneja quando são referidos valores milionários. Ao contrário do que sucede quanto aos gestores das grandes empresas públicas ou privadas, não consta que alguém vocifere nos areópagos políticos ou sindicais a criticar quaisquer exageros na matéria, nem sequer que alguém exija medidas fiscais adequadas aos rendimentos astronómicos em causa.» (Vasco Graça Moura no Diário de Notícias)
Se há algo que me mete confusão no impacto mediático e social do futebol, é que por entre as horas que se passam a discutir se a bola entrou ou não entrou, se foi «fora de jogo» ou «dentro do jogo», se o Ronaldo é bom da cabeça ou só de bola, ninguém se lembre de inquirir pelas declarações de IRS dos jogadores, ou de exigir medidas que taxem adequadamente os rendimentos dos futebolistas nas suas diversas formas (salários, prémios de jogo, transferências, etc). Tantos jornalistas dedicados ao «fenómeno», horas de televisão e jornais inteiros dedicados à coisa, e não há um jornalista que se dedique a investigar se os valores declarados correspondem aos anunciados nas parangonas dos jornais? E é para não falar das lavagens de dinheiro, das situações de lenocínio e de outros crimes adjacentes a essa indústria. Ou do dinheiro deitado à rua que foi a construção de «elefantes brancos» como o estádio do Algarve.

6 comentários :

  1. Eu nunca vi um jogo de futebol na minha vida. Acho o mundo do futebol absolutamente desinteressante. Uma vez tentei ler "A Bola" :o)

    ResponderEliminar
  2. Filipe,
    tens que postar mais. Tens andado desaparecido...

    ResponderEliminar
  3. Filipe,
    é a ler "A Bola" que um tipo sabe de notícias importantes como a deste post:

    http://arrastao.org/sem-categoria/em-cada-hugh-heffner-ha-um-pequeno-sousa-lara-ou-de-como-saramago-teria-razoes-para-sorrir-se-ainda-por-ca-andasse/

    Foi a ler "A Bola" que eu soube da morte do José Saramago. Palavra de honra.

    Quanto ao nunca teres conseguido assistir a um jogo de futebol, parece-me americanização :). Consegues assistir a basebol ou futebol americano ou seja o que for? Eu nunca consegui (nem sei distinguir a NBA da World Series). Também a bem dizer nunca me interessei.

    ResponderEliminar
  4. Ricardo, o que referes reflete a alienação. E é uma alienação voluntária. As pessoas são alienadas porque gostam. Está na sua natureza. Um dos principais erros (se não o principal) do Marx (autor que continuo a admirar) foi supor que as pessoas preferem não ser alienadas.

    Também tu estás um pouco alienado, a escreveres sobre futebol no dia em que a Comissão Europeia vetou a golden share :). Vou ver se escrevo sobre isso ainda hoje. Abraços.

    ResponderEliminar
  5. Filipe (Moura),
    as pessoas estão alienadas porque gostam, certo, mas nem sempre saberão que estão alienadas nem o estarem alienadas nos isenta de chamarmos a atenção para os efeitos negativos da sua alienação. Sem desprimor para o jornal «A Bola», que ao que me recordo até escrevia em bom português quando eu o lia (há mais de vinte anos, portanto).

    Quanto à «acção dourada», gostaria de saber da reacção do governo antes de escrever.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.