terça-feira, 20 de janeiro de 2009

O pesadelo chega ao fim

O presidente usurpador que atormentou o mundo durante os últimos 8 anos vai, finalmente para casa amanhã. O país e o mundo rejubilam de alívio, como no dia da libertação.

Bush festejou ontem o fim do segundo mandato. Uma festa triste de quem sabe que conta com o desprezo da História.

5 comentários :

Joao disse...

"Usurpador" não o foi certamente. Poderá ser caracterizada com muitos outros adjectivos, mas esse não.

Anónimo disse...

bom, ele forjou as duas eleições...

Eu acho que esta é uma oportunidade demasiado boa para eu poder concordar com o Filipe Castro para a desperdiçar por causa de pormenores desses.

Adeus Bush

Filipe Castro disse...

Julgo que nã há dúvidas sobre isto. nas primeiras eleições Bush foi nomeado pelo Supremo Tribunal, contra a vontade dos americanos expressa em votos. Nas segundas as estatísticas demonstraram para além dequalquer dúvida que as máquinas votaram em Bush contra a vontade popular.

João Moutinho disse...

"As máquinas"?
Democracia significa que o povo é quem mais ordena, mesmo estando mal.
Não são máquinas são pessoas.
Este histerismo anti-Bush por parte dos média europeus chega a ser patético e mesmo preocupante.
Não foi o Supremo Tribunal que deu a vitória ao Bush foi o Colégio Eleitoral.
quando um conjunto de Estados formam uma nação é natural que votem um conjunto de compromissos, em particular de forma a que os mais pequenos estejam mais defendidos (como os Estados de menor população).
Mas isto é demais para quem só entende a lógico do absoluto (ou bom ou mau).

Filipe Castro disse...

Sobre o problema das máquinas de voto o Paul Krugman publicou uma série de textos que deixam poucas dúvidas sobre a bagunça que foram as eleições de 2004.