domingo, 22 de maio de 2011

Em que é que isto vai dar?

É interessante o que se está a passar no Rossio.

Há um aspecto romântico em tudo aquilo. Questionar tudo, acreditar que podemos contruír algo diferente, ser parte da mudança (radical?) que queremos ver. E não gosto do cínico que há em mim, com as suas mil e quinhentas reservas a toda cegueira desses sonhos - não foram esses velhos sensatos quem fez as revoluções que mudaram o mundo para melhor, muitas vezes foram sonhadores imprudentes.

Mas também estão lá todas as sementes para que este processo não gere nada de concreto e positivo, não sei. O tal cínico que há em mim também tem boas razões desconfiar, e até temer, aquilo que possa resultar daqui, na improbabilidade de ser algo transformador. Nem todas as revoluções foram o 25 de Abril...

Eu apelaria aos curiosos a passarem lá, e serem parte da construção daquele movimento, que tanto pode ser uma coisa patética como uma coisa linda, dependendo do sentido que tomar. É uma experiência que vale a pena.