terça-feira, 19 de outubro de 2010

Revista de blogues (19/10/2010)

  • «Mira Amaral está revoltadíssimo. Apesar de também ter tido as suas responsabilidades na situação do país, como ministro da Indústria de Cavaco Silva, de 1987 a 1995. Foi ministro no período de vacas gordas com grandes ajudas financeiras da Europa. E quais foram as grandes reformas do cavaquismo de que era ministro? Que resultados trouxeram aquelas ajudas? Desindustrialização, ruína das pescas , diminuição da área de  vinha para diminuir a produção vinícola nacional e também para nos tornarmos recordistas na compra de Lamborguines no fragilizado Vale do Ave e em Jeep’s “IFADAP” nos "campos agrícolas" de Lisboa. Mira Amaral está revoltadíssimo e terá as suas razões, apesar da reforma de 18.156 euros mensais que lhe é paga pelo Estado, desde 2004, aos 56 anos de idade, por ter estado 18 meses na CGD, para onde foi a convite do Governo do PSD que aceitou pagar-lhe a reforma de luxo (com o dinheiro dos contribuintes é fácil ser-se generoso).
    Está revoltadíssimo apesar de, como presidente do CA do Banco BIC, somar à reforma uma remuneração várias vezes superior àquele valor.
    » (Puxa Palavra)
Ontem, no Prós e Contras, Mira Amaral gritava para Carvalho da Silva: «eu não sou rico!» Está bem. Ele não é rico, é pobre. E nós também: pobres, mas só mais pobres do que ele. Pobríssimos.