sexta-feira, 8 de junho de 2012

Fim de 42 colunas semanais

A minha última coluna no i saiu no dia 23 de Maio. Durante 42 semanas, escrevi sobre o que me parece evidente mas que sentia simultaneamente que ficava por dizer assertivamente na opinião publicada: que a União Europeia tem uma disfunção entre instituições democráticas impotentes e tecnocratas poderosos mas indiferentes aos cidadãos; que os portugueses não podem continuar observadores da UE, mas que devem ser protagonistas; que a austeridade tem castigado injustamente pensionistas e trabalhadores do privado, e poupado os poderes fácticos habituais; que olhar para o mundo laboral com o paradigma do funcionalismo público é um enviesamento grave; que a complacência perante os serviços secretos deve terminar; que os desentendimentos das esquerdas portuguesas desequilibram a República à direita; que o catolicismo tem uma influência política exagerada face ao seu real peso social; que Alberto João Jardim, se alguma vez teve piada, já não nos devia fazer rir. E que o mundo muda todos os dias.

Para encerrar, e em jeito de balanço, fica o «Top 10» das colunas que tiveram maior impacto nas redes sociais.
  1. «Um paradoxo agravado» (144 pontos).
  2. «Solstício» (140 pontos).
  3. «Um homem invulgarmente oco» (108 pontos).
  4. «Republicanos só de lapela» (95 pontos).
  5. «Geração SEF» (75 pontos).
  6. «E depois do empobrecimento?» (74 pontos).
  7. «Os gordos e os magros» (63 pontos).
  8. «República desequilibrada à direita» (46 pontos).
  9. «Orwell em Cuba» (40 pontos).
  10. «Obviamente» (40 pontos).

2 comentários :

  1. ó bolas pá caíste doze graus na minha loggia

    atão escreves colunas? e no I?

    foste tu que escreveu quinta coluna?

    são colunas dóricas ou daquelas em cimento armado?

    a tua loja tem o ritual dos que's?

    1ºque.... a União Europeia uma manta de retalhos de nações não federadas e com tanta união como o norte e o sul em 1861 tem aparentemente uma disfunção eréctil entre instituições democráticas impotentes? ou semi-potentes?
    Instituições democráticas como quê as autarquias da corruptela e dos compadrios onde o caciquismo é peor do que no período Thalassa?

    e tecnocratas poderosos ? que poder têm que não lhe seja dado pelos políticos que alternam entre lugares "tecnocratas" e lugares de tribuno (como um ex do PS tecnocrata da ria Formosa e hoje um autarcA-mirim herdeiro do autarca da autarquia do PSD na marca de Ay anda a monte... mas indiferentes aos cidadãos?
    indiferente?
    não são esses autarcas e tecnocratas das autarquias e instiputos cidadões?
    não têm cidadões pa sustentar e dar empregos?
    basta ver quem os africanos meteram no FMI
    ou os putogoeses na Unicef e similares

    que os portugueses (uma massa homogénea e passiva quiçá sado-masoquista com laivos de mirone) não podem continuar observadores da UE, mas que devem ser protagonistas...de quê?
    e quem o manel dos rissóis com 175 eurros vai fazer o quê?
    só protestam os funcionários o resto não tem fundos para o protesto
    (exceptuam-se os filhos família licenciados e desempregados por falta de lugares no aparelho de estado para os que já lá estão


    que a austeridade tem castigado injustamente pensionistas e trabalhadores do privado, e poupado os poderes fácticos (do grego φατός...sabe-se lá porquê para mostrar que está dito e feito esses phoderes... habituais;

    231ºque....olhar para o mundo laboral com o paradigma do funcionalismo público é um enviesamento grave...já agora astigmatismo grave

    podias por isto sem ser em grego pá... é que contra φατός não há ´argumentos nem argonautas

    que a complacência perante os serviços secretos deve terminar...atão este ataque ao funcionalismo púbico é demais meu...

    lá por a maior parte do pessoal não saber muito bem o que faz nos serviços, não é por isso que são secretos, eu vou fazer sei lá o quê com sei lá quem mas nem por isso sou agente secreto

    apesar de faser umes leaks de quande em quande...

    ResponderEliminar
  2. ao menos pagavam-te lá nos serviços secretos discretos do I

    ou eras daqueles que tiras o lugar aos camaradas jorna nas listas ao fazeres dumping de palavras e outras chavasqueiras?

    fura greves meu...yellow...amarelo parece assis chamar eléctrico a alguém e apesar disso pegou nos anos 70 e seguintes

    e inda dizem que somos gregos
    somos é tele-dependentes

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.