sexta-feira, 8 de julho de 2011

«Todo o poder às agências de rating»?

A lógica do jogo político implica que aqueles que se apoiavam nas agências de notação agora as ataquem. Faz parte da política politiqueira. Mas é necessário olhar um pouco mais longe.

A questão de fundo é saber como se combate o poder das ditas agências. É positivo que os afectados pelas decisões comecem a revogar contratos. Como é positivo que o BCE faça o contrário do que elas recomendam. São pequenos passos, quase simbólicos, na direcção da recuperação da soberania democrática. Quanto a passos maiores, nas últimas horas tem-se formado um consenso europeísta pela criação de uma agência de notação europeia. O que não resolve nada: é atirar combustível para o fogo. A crise actual poderá ser uma batalha de uma guerra dólar-euro. Mas criar outra agência (igualmente inimputável?) é aceitar a lógica das democracias governadas pelos mercados. (E duvido, honestamente, que a UE ganhe qualquer tipo de guerra financeira com os EUA.) O que é necessário é limitar o poder dessas agências, e devolver o poder a responsáveis eleitos. Nesse sentido, a proposta que apoio é a de que as agências de notação deixem de avaliar Estados. Já brincaram demasiado connosco e com as nossas vidas. Democracia é o governo pelo povo, não é o povo no lixo.

11 comentários :

  1. Uma das razões para esta catástrofe de andar com súbitas e intensas mudanças de direcção nos mercados (moedas, obrigações, acções, commodities, derivados) é ter-se deixado transferir o cepticismo das áreas onde ele mais era necessário, e a sua ausência perigosa, como as ciências sociais, para outras onde ele se torna irrelevante, como a religião. E as casas que você frequenta, Ricardo, têm dado o seu contributo para isso. Como as próprias agências de rating alegam em sua defesa, limitam-se a dar opiniões. E devem ser tratadas como tal - emitentes de opiniões. Capacidade de predizer o futuro - zero.

    ResponderEliminar
  2. «Uma das razões para esta catástrofe de andar com súbitas e intensas mudanças de direcção nos mercados (moedas, obrigações, acções, commodities, derivados) é ter-se deixado transferir o cepticismo das áreas onde ele mais era necessário, e a sua ausência perigosa, como as ciências sociais, para outras onde ele se torna irrelevante, como a religião.»

    É precisamente o contrário, a falta de espírito crítico que justifica a popularidade tão elevada da religião, da astrologia e tudo o mais, também tem consequências nefastas no que diz respeito à participação política dos cidadãos.

    ResponderEliminar
  3. Obrigado pela ilustração com as palavras de caldeirada do costume, João Vasco.

    ResponderEliminar
  4. democracia é dar ao povo a ilusão que tem o poder

    como dizia o velho Otto dê-lhes um parlamento que isso acalma-os

    João Vasco disse...

    É precisamente o contrário, a falta de espírito crítico

    que se mascara de sentido crítico...

    quando é o oposto

    numa sociedade mecanizada ou se criam serviços e produtos imateriais em barda ou...

    entendido?

    não?

    não faz mal
    poucos chegarão ao apocalipse vivos

    ResponderEliminar
  5. e o futuro não tem preditores

    a futurologia tem vistas curtas

    ResponderEliminar
  6. «a futurologia tem vistas curtas»

    O problema é justamente a capacidade das agências de notação de confirmarem as suas próprias previsões.

    ResponderEliminar
  7. Nuno Gaspar,
    o cepticismo não se transfere nem se compartimenta. Se se é céptico com a religião também se é com a economia e a política. A inversa é que é mais rara.

    ResponderEliminar
  8. «Como é que se impede alguém de avaliar Estados?»

    Boa pergunta. Por lei, acho eu. As alternativas são deixar de ligar ao que dizem e deixar de lhes pagar.

    ResponderEliminar
  9. Ricardo,
    "o cepticismo não se transfere nem se compartimenta."

    Talvez. Mas, normalmente, quem dá murros na parede agastado com a infalibilidade papal mostra grande doçura com a falibilidade dos profetas da economia.

    ResponderEliminar
  10. Nuno Gaspar,
    não deve estar a pensar nos autores deste blogue...

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.