sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Futuro aberto no Egipto

Apesar de vários sinais, ninguém tinha previsto que o povo egípcio ia conseguir provocar a queda do regime corrupto, violento e cleptocrata de Hosni Mubarak em 18 dias. 18 dias. O povo egípcio está de parabéns. Demonstrou uma dignidade e coragem moral surpreendentes.
No entanto, na Europa e nos Estados Unidos, em vez de celebrarmos a coragem dum povo, preocupamo-nos com o perigo islâmico no Egipto e no resto do Médio-Oriente. O subtexto destas análises – feitas na maior parte das vezes por pessoas que não conhecem a região e que de uma maneira geral não acreditam em mudança - é a de que a liberdade e a democracia não são valores que os « fanáticos do Médio Oriente » possam compreender.
Esta é a propaganda diária que sai de Tel Aviv, e foi com esta mesma propaganda que Mubarak obteve até agora todos os anos dois mil milhões de dólares do contribuinte norte-americano.
Nesta altura é saudável lembrar as previsões de Washington e do seu Richelieu na altura do 25 de Abril em Portugal. Henry Kissinger, conselheiro de Nixon, estava convencido que Portugal ia tornar-se num estado cliente de Moscovo com quotas pagas ao Pacto de Varsóvia. Quanto ao Dr. Mário Soares e às suas aspirações democráticas, ora que as arrumasse, pois ele era « o Kerensky da revolução portuguesa », disse na altura o Cardeal Richelieu de Washington.
Hoje ninguém sabe o que vai acontecer ao Egipto. Construir uma democracia requer tempo, muitos recursos, paciência e sorte, muita sorte. O cenário de um Egipto controlado pela Irmandade Muçulmana é o delírio vendido por Tel Aviv (que tem muitas razões para estar preocupado; Mubarak era o seu único aliado na região) e pelos think-tanks neo-conservadores de Washington. Os especialistas que conhecem bem o Egipto dizem que esse cenário é altamente improvável: a Irmandade conta com apenas 15% de apoio do eleitorado e teve um papel muito discreto nos protestos. A população egípcia é diversa, jovem e bastante secularizada. Além disso, como dizia ontem Timothy Garton Ash, « O Cairo de 2011 não é Teerão em 1979. O Cairo de 2011 é o Cairo de 2011 ». Os supostos paralelos da história não servem para nada, pois a história não se repete. Cada revolução é única.
O futuro do Egipto está aberto. Ninguém sabe o que vai acontecer amanhã ou nas semanas que se seguem. Os pessimistas prevêem a instauração de regimes islamistas na região. Esse é um cenário possível. Mas outro cenário provável é a de um golpe militar com um regime de generais « à la turque ». E igualmente possível é o de criação de estruturas políticas multipartidárias eleitas democraticamente e sustentadas pelo estado de direito.
Confesso a minha ignorância sobre o Egipto, mas acho que nesta altura o seu futuro está aberto. Penso também que em noites como as de hoje devemos dar o tal salto no escuro e partilhar das aspirações dos homens e mulheres comuns do Egipto que nos últimos 18 dias perderam o medo e se atreveram a sonhar com uma vida melhor.

3 comentários :

  1. O problema é verem no Egipto um vazio político quando existem muitos movimentos políticos antigos e recentes

    Já existem estruturas partidárias na oposição e estruturas em embrião entre os descontentes dentro do governo

    composição da Shura
    Al'Hizb Al Watani Al Democrati)
    74 6 80
    Partido Progressita Unionista Nacional (Hizb al Tagammo' al Watani al Taqadommi al Wahdwawi) 1 0 1
    Al-Ghad (Hizb al-Ghad) 1 0 1
    Paritdo Nasserista Árabe Democrático 1 0 1
    Partido Geração Democrática (Hizb El-Geel al-Democrati) 1 0 1
    Independentes (outros) 0 4 4
    Independentes (Irmandade Muçulmana - al-ikhwān al-muslimūn) 0 0 0
    Indicados pelo presidente 44
    Total 78 10 132

    ResponderEliminar
  2. o Al-ghad ou o o al Whad que vem do velho whad que dominou o egipto até 52

    e tem muitos filhos e netos de antigos parlamentares e ministros

    que aspiram voltar ao lugar dos pais

    mais ou menos como João Soares e seu filho Mário Soares e seu neto João Soares

    2011 não é 1979
    nem 1926 é 1952

    mas a história tem destas ironias

    cria a miragem de que se repete

    ResponderEliminar
  3. "Delírio de Tel-Aviv"?
    Quem está preocupado em sobreviver não se pode dar a certos luxos.

    A "vossa esquerda" gosta muito de pintar certos cenários cor-de-rosa e passar do imaginário (bonito) para a realidade (já mais cinzenta).

    Em todo o caso esperamos que os mais de 4.000 anos de História imperem no berço da nossa civilização.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.