quinta-feira, 17 de maio de 2007

Violência, religião, ideologia

  • «O secularismo e a laicidade, apesar dos seus aspectos positivos, com a ajuda de um certo mediatismo, promovem também algumas ideias erradas, nomeadamente a de que só no mundo das religiões encontramos a apetência natural para a violência.» (Faranaz Keshavjee no Público de hoje.)

Não, minha cara amiga. Pessoalmente, o que eu penso é que a violência é uma apetência natural (um facto biológico) no homem (mas não no Homem). O papel histórico das religiões, e as monoteístas são as melhores nisso, tem sido o da justificação social da violência. Modernamente, algumas ideologias totalitárias têm feito uma concorrência notável às religiões, neste e noutros domínios.

  • «As ideologias que controlam as sociedades humanas, religiosas ou não, regem-se por "verdades" incontornáveis e intransigentes que não permitem o espaço para o pluralismo.» (idem)

Pelo contrário. Nem todas as ideologias negam espaço ao pluralismo ou afirmam «verdades incontornáveis». Algumas limitam-se a tentar que as sociedades sejam um espaço em que todas as verdades se possam confrontar, dialogar e conviver. É o caso do laicismo e do «democratismo».

3 comentários :

tiago disse...

" Nem todas as ideologias negam espaço ao pluralismo.."

Dai acho curioso que incluias o laicismo (versão anticlerical incluida?).

Ricardo Alves disse...

Acho que o tiago não compreende o que é o laicismo...

pedro silva disse...

Ricardo: foi bem postado isto.

O texto da senhora é de uma vigarice incomparável.
O principio é um ataque disfarçado à democracia, ao laicismo e ao pluralismo.

É o clássico argumento de que não se deve proibir alguém de exprimir a sua opinião ou acção mesmo que isso vá contra a lei e contra a organização democrática laica de um estado - na prática uma defesa encapotada do multi culturalismo.

Depois passa ao paragrafo seguinte e vai dar bicadas no Huntington , atacando as inconcruências do conceito civilizacional.
O problema é que o Huntington escreveu uma self fullfilling prophecy de estratégia (militar) primordialmente e não de civilizações, mas ela não pode ir por aí.

E no fim passa a uma metáfora , contando um conto muçulmano acerca de dois pássaros.

Tudo isto extraordinariamente mal escrito em longos parágrafos.

Ou seja
1-defesa do multiculturalismo e aataque À democracia
2- ataque ao cocneito do Huntington( justificado, diga-se ,mas não por aquelas razões)
3- uma parábola cheia de metáforas a resvalar para o sufismo místico e transcendente para acabar em beleza.

Ok, isto está bonito está....