segunda-feira, 21 de maio de 2007

Democracia na Madeira: no limite da legalidade

Por uma questão de prazos, o Tribunal Constitucional não aceitou um recurso do PS contra a assembleia de apuramento dos resultados eleitorais na Madeira. Na notícia que acompanha este singelo facto no Público de hoje, ficamos a conhecer o seguintes dados interessantes...
  • «O PS denuncia o facto de presidentes de junta terem obrigado membros das mesas a deslocarem-se fora das assembleias para recolherem votos e de mesas que deixaram votar cidadãos não munidos de identificação. Nuno Godinho de Matos, porta-voz da CNE, considerou "escandaloso um dos casos reportados, o de uma mesa de voto que aceitava pessoas votarem acompanhadas com a desculpa de que estavam psicologicamente incapazes". Os socialistas protestaram também pela presença de presidentes de junta, 47 dos quais candidatos suplentes do PSD, junto das assembleias de voto, recebendo e conduzindo os eleitores. Contestaram ainda a utilização de viaturas do Governo para transportar eleitores às mesas de voto, transporte este "não publicitado" e de que apenas "beneficiaram determinados eleitores".»
A situação do transporte selectivo de eleitores fica apenas no limite da ilegalidade. O resto, fica provavelmente para lá do limite. O quadro geral que fica pintado não espanta, e explica, pelo menos em parte, a sobrevivência do regime jardinista e a sua votação recorde nestas últimas eleições...

4 comentários :

João Vasco disse...

Esse Jardim mete nojo...

Filipe Castro disse...

O que é espantoso,ou talvez não, é que a Madeira é um exemplo vergonhoso duma republica das bananas há 30 anos, e ninguém faz nada. Nem no PSD - onde obviamente a situação preocupa nem envergonha niguem - nem em qualquer outro partido.

Ricardo Alves disse...

A situação na Madeira só mudará quando se deixar de beneficiar o infractor - ou seja, quando se deixar de dar bagalhoça ao governo regional cada vez que o Jardim aldraba uma eleição, agita o espantalho da independência ou insulta as pessoas do continente. E isso começou a acontecer há poucos meses, com o actual governo. Esperemos que a recente vitória de Jardim não leve a novas indulgências...

pedro silva disse...

Independência ,já.

Melhor,ontem.

Independência de Portugal em relação à Madeira, note-se.