quarta-feira, 23 de maio de 2007

Revista de blogues (23/5/2007)

  1. «Na altura do Golpe, Chávez decidiu, e bem, não reprimir os protagonistas. Os seus responsáveis políticos e militares continuaram em liberdade (e a fazer oposição), sendo os militares afastados do exército, como é evidente. É justo dizer que não lhe faltava legitimidade legal, política, criminal, etc. para os meter todos na prisão. (...) Chávez não o fez por não querer introduzir uma lógica repressiva na democracia venezuelana. Sobre a não-renovação de licença, muito se tem escrito em Portugal. O insurgente fala do avanço de uma "ditadura socialista" na Venezuela. E, no Arrastão, de forma mais sustentada, critica-se a "caminhada para o abismo". (...) Uma televisão que recebe uma licença de emissão de um Estado democrático não deve participar na organização de um golpe militar contra esse Estado (no qual morreram pessoas e a legalidade democrática foi subvertida), omitindo, falsificando e inventando "informação" e oferecendo aos líderes golpistas direitos de antena em exclusividade, ao mesmo tempo que faz desaparecer todas as vozes dos órgãos políticos (e judiciais) legítimos. (...) Ter uma política editorial de oposição ao governo não é critério para a não-renovação de licenças.» («Venezuela», no Ladrões de bicicletas.)
  2. «Às 12:55, sintomizei na RTP1 para ouvir (estava na cozinha, a preparar o almoço) as notícias da tarde. Estava a terminar um programa chamado Praça da Alegria. Falava, na altura, um dos seus habituais apresentadores, um tal Borga (que descobri, entretanto, que passa por padre católico). Apelava, solenemente, aos... portugueses. Hoje, às 22:00 horas, dizia ele, vamos todos parar e... rezar por Maddie. Uma vez mais, considerei-me insultado. Trata-se de uma estação pública que os meus impostos sustentam e o Estado português, que eu saiba, ainda é... laico. Onde pára o ministro da tutela, que não é capaz de obrigar a RTP a respeitar a Constituição da República? Este país é uma indecência, uma pulhice...» («Este país é, todo ele, um... Borga...», no Abnóxio.)

2 comentários :

David Cameira disse...

Mas quem foi o ingenuo q não sabia q o Padre Borga é comentador habitual desse programa...ele e a Maia ...

Bem ele nao vale menos nem mais q a " abelha maia " mas foi caricato o governo a instrumentalizar o estado pro abortista e o Padre Borga a rezar CONTRA O ABORTO !!!

tiago disse...

Realmente onde anda a DREN Norte quando precisamos dela?!!