terça-feira, 15 de junho de 2010

Com luvas e pinças

Eu sei que o assunto fede, mas há métodos que desqualificam quem os usa (e quem se aproveita deles), e a única maneira de prevenir o seu abuso futuro é denunciá-los no presente.
O ilustre bloguista Carlos Santos diz agora que «não me ofende mesmo nada o epíteto de "blogger de direita": de direita eu fui sempre, blogger de direita é que nem tanto». É de enaltecer tanta sinceridade, embora um pouco tardia. Realmente, de direita foi ele sempre, mesmo quando falava dos «nossos anseios e prioridades, enquanto esquerda moderna mas nunca envergonhada». De direita foi ele sempre, mesmo quando se preocupava com os direitos cívicos de Otelo Saraiva de Carvalho e dos detidos das FP-25. De direita era ele sempre, ainda quando alinhou (até outubro passado, note-se) num blogue oficioso de apoio ao PS, cujo manifesto proclamava que «grande parte dos colaboradores do SIMplex apoia a interrupção voluntária da gravidez; (...) a plena igualdade no acesso ao casamento civil entre pessoas do mesmo sexo; a laicidade do estado e a liberdade religiosa» (todas causas e valores que seis meses passados combate de forma aberta e sincera, de catecismo católico na mão e proclamando a necessidade de «uma representação política que seja em simultâneo, assumidamente liberal na economia e conservadora nos costumes, [e] uma representação que desafie abertamente o laicismo de Estado, em nome da tradição social católica»). Pois. De direita era ele. Sempre. Só não era bloguista de direita. Estou esclarecido.