sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Quem não usa guarda-chuva, molha-se

Seria interessante investigar, daqui por uns anitos, quantas gravidezes indesejadas acontecerão no segmento de alunos cujos pais os impedem de frequentar as aulas de educação sexual. E no imediato, o ministério da tutela deveria esclarecer se a original «objecção de consciência» que lhes é tolerada (as faltas às aulas são «justificadas», e é o ensino público...) será alargável a outras matérias, ou se é exclusivamente para a  dita «educação sexual».

20 comentários :

  1. Muito sinceramente, duvido que haja qualquer efeito relevante - tenho uma forte suspeita que a gravidez indesejada não tem nada a ver com falta de informação, mas com o clássico efeito "só acontece aos outros"

    ResponderEliminar
  2. cujos pais os impedem de frequentar as aulas de educação sexual...meu caro senhor
    a data de miudas que vai ao centro de saúde pedir a pílula do dia seguinte

    não se preocupa com as doenças sexuais e sabe como evitar a gravidez...estúpido mas é verdade


    vá ler nos formsprings há ali educação sexual para todos os gostos
    e deseducação
    a escola?
    quem liga ao que se diz na escola
    êta esquerda iludida

    ResponderEliminar
  3. E quanto à questão da «objecção de consciência»? Alguém se pronuncia?

    ResponderEliminar
  4. No fundo, é apenas mais um argumento para que os serviços de educação fossem subcontratados por utilização dos alunos.

    ResponderEliminar
  5. Ricardo Alves,

    Depende de como for dada a educação sexual. Se esta tiver um cariz meramente científico, discutindo questões biológicas do sexo, doenças e gravidez, não há qualquer dúvidas. Se, por outro lado, a ES for usada para difundir visões morais/éticas sobre a sexualidade humana então concordo plenamente com a "objecção de consciência".

    ResponderEliminar
  6. Tem a certeza que você não é o resultado de uma gravidez indesejada, Ricardo?
    Seria interessante investigar quantos defensores da liberalização do aborto e da educação sexual nas escolas não são resultado de gravidezes indesejadas.

    ResponderEliminar
  7. Li no DN a notícia e achei inadmissível. É a antítese da educação, a cedência à ignorância e devia envergonhar os pais que o exigiram e professores que anuíram.

    Se fosse com o currículo das aulas de Biologia, onde se ensina o sistema reprodutor humano, nada disto se passaria.

    O comportamento de ambas as partes é um desrespeito pelas crianças e uma racha no ensino público.

    ResponderEliminar
  8. Se fosse com o currículo das aulas de Biologia, onde se ensina o sistema reprodutor humano,
    essencialmente são aulas de educação sexual
    mas tal como o resto centram-se numa visão expositiva da questão

    mesmo em sessões de debate com entidades externas à escola
    (enfermeiros...agentes de propaganda de higiene e profiláticos)

    não há grande participação

    veêm aquilo como um frete

    logo a proibição ou não nada mudaria

    nada disto se passaria?

    O comportamento de ambas as partes é um desrespeito pelas crianças?

    ou adolescentes



    e uma racha no ensino público...está há anos como os edifícios novos que as faculdades construiram

    com falhas estruturais de nascença

    ResponderEliminar
  9. quanto à objecção...é similar à que podem fazer quanto à educação de rel. e moral

    de resto com as taxas de natalidade decrescentes

    se as objecções não impedem o acesso dos filhos a métodos contraceptivos com riscos para a saúde

    nem os impedem de obter informação

    impedem-nos de ir a aulas direccionadas para um fim

    os filhos dos evangelistas também discordam da evolução
    são uma minoria

    se as pessoas querem manter as suas crenças devemos impedi-los

    deve-se dizer às miúdas do paquistão para irem para a escola islâmica de Palmela

    porque nas outras apela-se a costumes corruptos?

    há sempre o outro lado?

    ResponderEliminar
  10. o toneblair com barba fica bem


    se quisermos impor valores


    porque não obrigar os monárquicos a terem uma reprogramação republicana?

    ResponderEliminar
  11. O Nuno Gaspar é, como se vê, o resultado de uma péssima educação.

    ResponderEliminar
  12. JDC,
    creio que mesmo que a ES seja «expositiva» haverá problemas. Muitos pais não aceitarão que se ensine, por exemplo, a colocar preservativos a partir dos 12 anos.

    Quanto à transmissão de valores, acho que a parte essencial será consensual: ensinar às crianças que devem saber dizer «não», que devem queixar-se de quem tenta fazer algo que não lhes agrada.

    O problema, parece-me, é que certas organizações e os media se concentram em 5% do que é transmitido, como o facto de se dizer que existem casais homossexuais ou que não se devem sentir culpabilizados por se masturbarem.

    ResponderEliminar
  13. Ricardo Alves,

    No essencial, estou de pleno acordo consigo. O problema começa, como eu já vi, nalguns manuais de ES para o 2º/3º ciclo onde uma visão libertina e desresponsável do sexo é posta como legítima e aceitável. Ora, se numa idade mais avançada, onde a maturidade já é outra, isto seria pouco relevante, dizer a uma criança de 12 anos que o sexo pode ser visto como jogar à bola ou ir ao cinema é francamente intromissor nos direitos de educação dos pais.

    ResponderEliminar
  14. JDC,
    duvido que se diga às crianças que o sexo pode ser visto como jogar à bola ou ir ao cinema. Ou que se transmita uma «visão libertina e desresponsável do sexo». O que tenho lido por aí não aponta para esses dislates.

    ResponderEliminar
  15. Ricardo Alves,
    Posso, como você, ser o resultado de uma péssima educação, de uma gravidez indesejada ou de outra coisa qualquer. Isso não diminui os nossos direitos, seja o de existir desde o momento em que não poderiamos ser outro ao de educar os nossos filhos segundo os nossos valores.
    Querer mandar na vida dos outros é próprio de fascistas. Se você já tivesse lido, por exemplo, este livro - "Liberal Fascism" de Jonah Goldberg - compreenderia facilmente.

    ResponderEliminar
  16. Nuno Gaspar,
    fui ver o livro que recomenda na Amazon.

    http://www.amazon.com/Liberal-Fascism-American-Mussolini-Politics/dp/0385511841#reader_0385511841

    Tenha lá paciência mas não vou perder tempo a ler um livro que considera Mussolini e Hitler «homens de esquerda», e Woodrow Wilson e Rooselvet «fascistas». Para baralhações ideológicas em livro, não tenho tempo.

    ResponderEliminar
  17. Ricardo Alves,

    Não estou a dizer que o façam. Mas que há manuais de ES assim propostos, há! Resta saber se algum agrupamento escolar os escolha...

    ResponderEliminar
  18. "Querer mandar na vida dos outros é próprio de fascistas."

    Quer dizer que os pais que não autorizam os filhos a frequentar as aulas de educação sexual são fascistas?

    ResponderEliminar
  19. É. E os que dão leite aos filhos num biberão côr-de-rosa também.

    ResponderEliminar
  20. Quanto à objecção de consciência, agora que sobram poucas batalhas à Isilda Pegado, se calhar nem falta muito para ser alargada ao darwinismo!

    Criacionistas, agremiem-se contra esta tentativa do Estado Socilista de impôr as verdades contra a palavra de deus...

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.