quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Um governo tão clerical

É uma ideia de loucos: para financiar bancos, passarmos a pagar pela frequência da escolaridade obrigatória na escola pública. Como muitas ideias terroristas que vêm deste governo, pode ser que seja abandonada daqui a meia hora por troca com outra que assuste menos. De qualquer modo, é elucidativo ver quem a apoia: o inevitável Bacelar Gouveia e Braga da Cruz, ou seja, as caridosas almas católicas.

É verdade: alguém sabe o que é feito daquele rapaz que sabe agradar à esquerda ingénua e populista, o Januário «Dom» Ferreira?

6 comentários :

  1. "o que é feito daquele rapaz que sabe agradar à esquerda ingénua e populista"

    Pois, tu não és nada ingénuo. E nada populista.

    Do D. Januário não sei, mas o Frei Bento Domingues assinou um documento a pedir a demissão do governo, em conjunto com um antigo presidente do Sporting e outras pessoas (futebol, ICAR, que horror!). Podes ver aqui:
    http://arrastao.org/2698666.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Filipe.

      1) Não respondeste à questão de fundo: onde anda o Januário desde que o Policarpo disse (implicitamente) que apoia o governo? (Inclusivamente, criticando manifestações em que creio que também participaste.) Se é assim tão de esquerda, porque será que não defende a escola pública?

      2) Acho estranho referires-te ao J. Ferreira como «D.», e ao Gambuzino Domingues como «Frei». Fico invejoso. Porque será que não tratas a minha pessoa por Professor Doutor Engenheiro? Dás menos valor à licenciatura que tu também tiraste do que ao estatuto de sacerdote da ICAR? ;)

      Eliminar
    2. Ricardo,
      1) a tal "questão de fundo" para mim é irrelevante, e mais uma das tuas embirrações pavlovianas. Agora o Januário tem que responder por tudo o que o Policarpo diz? Tu tens que responder por tudo o que os esquerdistas ateístas dizem? Julgava que eras um defensor da liberdade individual.

      2) Tanto quanto eu sei, "Frei" é o nome do senhor. É assim que o identificam na tal carta. Repara: os nomes vêm por ordem alfabética, e o dele vem em "f". Deve vir assim no BI.
      :)

      Eliminar
    3. 1) Eu defendo a liberdade individual, mas a ICAR não: é uma organização autoritária e totalitária. E o facto é que o Januário se calou quando se percebeu que a ICAR continuaria sem pagar IMI. Se achas irrelevante o projecto político que a ICAR tem, enfim... É uma escolha tua.

      2) Pois, então o mau gosto foi dos pais dele. Coitado. Não tem culpa, o pobre Bento...

      Eliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.