quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Em frente, para trás!

Há um certo conceito de Estado, que se julgava enterrado nos tempos medievais, que faz o seu caminho com este governo. É menos do que o Estado mínimo, é um Estado que apenas retém as funções pré-iluministas de polícia, exército, espionagem e «justiça» (mas só para a plebe). Que gasta dinheiro em vigilância, mas não em saúde e educação. Que aumenta em 10% polícias ao mesmo tempo que anuncia o fim do Estado social. E quando o povo se revoltar... haverá a polícia privada dos senhores feudais, ao redor dos seus condomínios privados...