quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Mitos da crise I

É raro o dia em que não se ouve baboseiras sobre a crise da Zona Euro. Não me refiro a opiniões de que discordo, mas de afirmações falsas. Já era tempo de lhes dedicar uma série de posts. 
Nada melhor do que dedicar o primeiro post ao Gaspar, Vítor Gaspar. Apesar de não o dizer explicitamente, ele associa a crise à falta de controlo da dívida pública em "alguns países".
Aqui fica a dívida pública dos PIIGS desde 2000, dados da Comissão Europeia:

O que se vê não é um falta de controlo, mas uma descida sustentada que ocorreu todos os anos sem exceção até à crise.

7 comentários :

  1. Põe "mitos urbanos" como uma das tags deste texto.

    Excelente post!

    ResponderEliminar
  2. E se a Irlanda não fizer parte dessas contas, ficamos com uma figura muito diferente?

    ResponderEliminar
  3. Claro!
    A dívida desceu na Irlanda, na Grécia, na Itália e na Espanha.
    Em Portugal houve uma ligeira subiu de 2001 a 2005, tendo estabilizado até 2008. E mesmo nesse período teve um nível igual ao da Alemanha

    ResponderEliminar
  4. Descida sustentada numa bela bolha, só se for...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois. Houve bolhas na Irlanda e na Espanha. Essas bolhas refletiram-se em mais impostos cobrados.
      Seria por isso importante apresentar o gráfico com os valores para os países diferenciados.

      Eliminar
  5. A isto se chama manipulação de informação. A crise financeira em 2008 fez com que os governantes pelo europa adoptassem políticas orçamentais expansionistas, daí aquela grande subida até 2011. E foi em 2010 e 2011 que os PIIGS começaram a ter serias dificuldades em se financiarem. E é a isso que o Gaspar se refere. E em Portugal tivemos belas memórias de descontrolo orçamental, desorçamentação e por aí fora. Por isso a "baboseiras" se responde com classificações semelhantes: este post é uma idiotice.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.