segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Revista de imprensa (20/12/2010)

  • «(...) não liguei muito à notícia da declaração assinada de Cavaco Silva à PIDE. Só despertei da modorra, quando ouvi o candidato dizer que não se lembrava do episódio. Aí, pára: ou o cavalheiro mente desavergonhadamente, ou sofre de um Alzheimer muito adiantado a justificar um Conselho de Estado para o interditar.Ninguém, mas ninguém mesmo, se esquece de quando foi obrigado a ir à PIDE: fica na memória para sempre. É que esta, para mais, foi uma declaração presencial, certificada na hora pelo chefe de brigada da Pide e por isso dispensada de reconhecimento notarial. Tem ele o despudor de dizer que não se lembra? Abram a ala VIP da psiquiatria, por favor!
    A mentira (ou doença incurável do candidato) tornou-me mais atento. O que me chamou mais a atenção foi a anotação final, num espaço de preenchimento facultativo, a dizer que «não priva» com a segunda mulher do sogro, dando o nome completo da senhora.
    Ah, isso é demais - e nada tem a ver com «tentativas de o ligar ao anterior regime», como Cavaco se lamuriou. (...) Toda a gente de bem que conheci, desafecta ou mesmo afecta ao salazarismo, respeitava este princípio: à polícia (e então à secreta!) só se diz o mínimo. Era questão de fidalguia, de sobranceria, de desprezo. Não era exigido a Cavaco que escrevesse o nome da segunda mulher do sogro e muito menos que declarasse que não privava com ela. Qualquer um com dois dedos de siso saberia que isso iria pôr a PIDE de sobreaviso contra a senhora - ou então queria mesmo denunciá-la.» (Óscar Mascarenhas)

2 comentários :

  1. Ninguém, mas ninguém mesmo, se esquece de quando foi obrigado a ir à PIDE: fica na memória para sempre. É que esta, para mais, foi uma declaração presencial, certificada na hora pelo chefe de brigada da Pide e por isso dispensada de reconhecimento notarial.

    eu nunca me esqueci dos tipos do MI5

    dos da PIDE mal me lembro
    tinha um vizinho que era inspector

    meias com ligas
    um velhote que se queixava das varizes e que cuspia sangue

    não chegou à reforma tinha só 67 quando veio o 25 de abril

    foi há tanto tempo qwem se lembra

    era-se chamado por vezes com regularidade como o Cabanas
    algarvio dos 7 costados

    então o que eles queriam

    sei lá já nem me lembro

    e o homi passou lá dentro uns bons anos

    às vezes davam uns papelitos para assinar a bem da nação

    que havia medo havia
    havia também da polícia
    do senhor professor
    do senhor reitor
    medo dos pais
    dos avós
    eramos uns medricas
    mas eramos medricas com pouca memória

    ainda somos

    ResponderEliminar
  2. o que uma pessoa era aos 28 ou aos 30 não é o mesmo que aos 60 ou 70

    o Cavaco nos anos 70 era como o resto da maralha

    e ódespois

    não fez também a mulher do Soares uma petição contra o exílio dourado para S.Tomé onde viveu com todas as mordomias

    o clima nessa altura fazia-lhe mal

    mas 15 anos depois aparecia em férias numa ilha tropical muito mas húmida com uma indonésia girota ao lado
    fotografia no tal e qual
    o jornal do Letria

    podres todos eles tinham

    uns eram os senhores doutores

    e os outros eram os pulhas dos comunistas
    se eram senhores doutores comunistas
    não lhes arrouchavam

    se eram pulhas gravadores de xilografias ou tipógrafos ou grevistas da socel ou da secil

    porrada neles qué pra aprenderem

    tanto os pides como as suas vítimas eram uns pobres brutos

    e agora mudou o quê?

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.