sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Revista de blogues (10/12/2010)

  • «Quem nunca se revoltou contra a ditadura nem contra a guerra colonial, tendo a idade que tinha e licenciatura numa Faculdade altamente politizada, algum esqueleto devia ter no armário, embora, passados tantos anos, pensasse que o anúncio da ficha na PIDE lhe desse galões de democrata e a entrada na galeria do anti-fascismo.

    O passado que esconde é recheado com um atestado de bom comportamento salazarista e a delação da madrasta da excelsa esposa, Maria Mendes Vieira, sobre a qual decidiu, em observações, escrever que, com ela, nem ele nem a D. Maria Cavaco privavam. Que razão e estranho impulso o levaram a denunciar à PIDE a distância do casal em relação à referida senhora, quando nada lhe era pedido, e que não possam agora ser revelados aos eleitores para melhor julgarem o seu carácter e a intenção da denúncia?
    A repulsa do denunciante visava uma opositora à ditadura ou a «amancebada» que vivia com um homem a quem a Concordata negava o divórcio? Para o piedoso situacionista qual das condições, ou ambas, era considerada uma infâmia?

    Um assunto deste melindre, tal como as dúvidas que envolvem a compra e a venda das acções da Sociedade Lusa de Negócios, dele e da filha, dadas as chorudas mais-valias e os amigos pouco recomendáveis que geriam a SLN e o BPN, deixaram de ser assuntos pessoais e passaram a ser do interesse público, fundamentais para julgar a recandidatura de Cavaco Silva à mais alta magistratura de Portugal.

    A Presidência tem, pelo seu simbolismo, exigências éticas que não consentem silêncios. O cargo impõe explicações sobre suspeitas que ensombrem o passado do titular. Não suporta a recusa de esclarecimentos sobre os assuntos referidos e, muito menos, sobre a eventual cumplicidade nas escutas geradas em Belém, que deixaram suspeitas graves de conspiração contra o Governo
    .» (Carlos Esperança)

2 comentários :

  1. bom era um funcionário e tal ajudava na progressão

    não é por ter sido um conformista tal como 90% da população que há problemas

    o que ele não fez e o que fez nos últimos 25 anos
    isso já é grave

    de resto o regime só torturava os pequeninos

    os grandes opositores não comunistas viveram à sombra do regime

    são tomé não era o Tarrafal

    ResponderEliminar
  2. É nos momentos em que dói mesmo fazer alguma coisa que se conhecem as pessoas.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.