sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Geert Wilders visto ao espelho

No Cachimbo de Magritte, há quem se entusiasme («grande homem», diz-se) com o extremista holandês Geert Wilders.

Vejamos. Wilders defende que não se construam mais mesquitas, que não entrem mais muçulmanos na Holanda e que os que lá estão saiam, e que se proíba o Corão. E é elogiado por alguns. Mas se Wilders defendesse que não se construíssem sinagogas na Holanda, que não entrassem mais judeus na Holanda e que saíssem os que lá estão, e que se proibisse a Torá, seria considerado um anti-semita e um filo-nazi.

Wilders é uma resposta a um genuíno problema contemporâneo: o fascismo islâmico. Mas é a resposta errada. Não se responde a um fascismo com outro fascismo.

1 comentário :

  1. De acordo.

    O problema é que a esse problema - o fascismo islâmico - têm existido duas respostas erradas: a de muita esquerda, que é não o ver ou fingir que não existe, e a de muita direita, que é propor outro fascismo em alternativa.

    A igualdade dos cidadãos perante a lei, o laicismo e a separação da)s) Igreja(s) e do Estado, são a resposta certa.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.