sábado, 2 de julho de 2011

A Esquerda é mais liberal que a Direita? - Parte II

Vários autores tentaram definir escalas que medem a propensão para valorizar a autoridade de forma independente de qualquer convicção quanto à propriedade privada ou distribuição dos recursos. Elas podem ajudar-nos a responder às questões colocadas no texto anterior.

Uma das escalas refere-se às características que são mais valorizadas nas crianças. Traduzindo:

«Qual é que pensa que é a característica mais desejável numa criança:

a) "Independência" ou "Respeito pelos mais velhos"?
b) "Curiosidade" ou "Boas maneiras"?
c) "Ter empatia e consideração pelos outros" ou "Ser bem comportado"?
»

Parece claro que a primeira resposta a qualquer destas perguntas corresponde a uma sensibilidade mais liberal, enquanto que a segunda resposta manifesta um maior apreço pela autoridade instituída.


Eis outra escala que foi utilizada para aferir o autoritarismo (e, por oposição, o liberalismo), também independentemente de qualquer convicção quanto à distribuição dos recursos. Neste caso, era pedido às pessoas que respondessem se concordavam ou discroordavam com cada uma das seguintes frases:

«1. Existem muitas pessoas radicais e imorais no nosso país hoje em dia, que estão a destruí-lo tendo em vista os seus propósitos sem Deus, em relação aos quais as autoridades deveriam pôr cobro.

2. Não existe «UMA maneira certa» de viver a vida, toda a gente tem de criar a sua própria forma. (-)

3. O nosso país será destruído se não esmagarmos as perversões que destroiem a nossa fibra moral e as nossas crenças tradicionais.

4. Homossexuais e feministas deveriam ser louvados pela bravura ao ter desafiado os «valores da família» tradicionais. (-)

5. Cada um deveria poder escolher o seu próprio estilo de vida, crença religiosa e orientação sexual, mesmo que isso o faça diferente de todos. (-)

6. A única forma do nosso país resistir à crise que se avizinha é voltar aos valores tradicionais, pôr líderes duros no poder, e silenciar gente problemática que insista em espalhar más ideias.

7. O nosso país precisa de pensadores livres, que tenham coragem de desafiar o ponto de vista tradicional, mesmo que isso seja inconveniente para muitos. (-)

8. Aquilo de que este país realmente precisa, em vez de mais «direitos civís», é uma boa dose de lei e ordem.

9. Não existe nada de errado com o sexo antes do casamento. (-)

10. Obediência e respeito pela autoridade são as virtudes mais importantes que uma criança deveria aprender.
»

Parece claro que uma concordância com as afirmações assinaladas com (-) e discordância com a restantes corresponde a uma sensibilidade mais liberal, enquanto que o posicionamento oposto manifesta um maior apreço pela autoridade instituída.


Tendo em conta que, nos EUA, o partido Republicano dá mais valor à defesa da propriedade privada (quando em conflito com outros valores) do que o partido Democrata, se a perspectiva dos liberais de direita estivesse correcta, seria de esperar que os estudos empíricos demonstrassem que no partido Republicano existem mais liberais (de acordo com estas escalas) do que no partido Democrata.

Verifica-se precisamente o oposto.
Inúmeros estudos têm-no confirmado, veja-se este exemplo, e este, e mais este.

Mas há mais...