sábado, 7 de agosto de 2010

A Pide perante o novo mundo

A pérola que anda a circular pela blogo-esfera neste momento: o relatório da PIDE sobre o festival de Vilar de Mouros. Notar as preocupações dos «informaçõezinhas».
  • «Distribuição Presidência do Conselho, Ministério do interior, Ministério da Educação Nacional
    Assunto: Festival de música “Pop” em Vilar de Mouros
    (...)
    O recinto do festival era uma clareira cercada de eucaliptos, com um taipal à volta e uma grade de arame do lado do ribeiro.
     

    Na noite de 7 estavam muitos milhares de pessoas e muita gente dormiu ali mesmo, embrulhada em cobertores e na maior promiscuidade.
    Entre outros havia:
    crianças de olhar parado indiferentes a tudo
    grupos de homens, de mão na mão, a dançar de roda
    um rapaz deitado, com as calças abaixadas no trazeiro
    um sujeito tão drogado que teve de ser levado em braços, com rigidez nos músculos
    relações sexuais entre 2 pares, todos debaixo do mesmo cobertor na zona mais iluminada
    sujeitos que corriam aos gritos para todos os lados
    bichas enormes a comprar laranjadas e esperando a vez nas retretes (havia 7 ou 8 provisórias) mas apesar disso, houve quem se aliviasse no recinto do espectáculo.
    porcaria de todo o género no chão (restos de comida, lama, urina) e pessoas deitadas nas proximidades

    (...)
    A população da aldeia, e de toda a região, até Viana do Castelo, a uns 30 km de distância, estava revoltada contra os “cabeludos” e alguns até gritavam de longe ao passar “vai trabalhar”. Foram vistos alguns a comer com as mãos e a limparem os dedos à cabeleira.
    Viam-se cenas indecentes na via pública, atrás dos arbustos e à beira da estrada.

    Em Viana do Castelo dizia-se que os “hippies” tinham comprado agulhas e seringas nas farmácias da cidade.
    Havia muitos estudantes de Coimbra, e outros que talvez fossem de Lisboa ou do Porto. Alguns passaram a noite em Viana do Castelo em pensões, e viam-se alguns de muito mau aspecto, parece que vindos de Lisboa, que ficaram numa pensão.

    Houve gritos de Angola é... (qualquer coisa) durante a actuação do conjunto Manfred Mann (de que faz parte um comunista declarado, crê-se que chamado Hugg).
    (...)»