quinta-feira, 22 de março de 2012

Um, dois, muitos Anders Breiviks?

Há quatro meses, escrevi nesta coluna que Anders Breivik não estava isolado e que em 2011 o terrorismo na Europa mudara. Descobrira-se então uma rede neonazi alemã que matou, um a um e sem incómodos policiais, uma dúzia de turcos.

Esta semana, a França assiste a um surto terrorista que já causou oito vítimas. Ao contrário do terrorismo islamofascista da década passada, os novos terroristas são europeus, actuam tipicamente isolados, seleccionam cuidadosamente as suas vítimas por etnia, religião ou convicção política, e só param depois de apanhados. Estamos longe dos bombistas suicidas, dos atentados indiscriminados de Nova Iorque, Atocha e Londres, e das redes islamitas dirigidas do Paquistão.

O debate político sobre esta nova ameaça ainda mal começou, embora o balanço fatal de Utoya só seja ultrapassado, em anos recentes, pelo de Atocha. Seria demais esperar que os mesmos que acusaram a Europa e os EUA de «fraqueza» e excessiva «tolerância» para com o islão, após o 11 de Setembro, agora questionassem se a retórica do «choque de civilizações» e a islamofobia não ajudaram a criar um novo monstro. E no entanto, os que proclamam que os imigrantes são indesejáveis e a Europa é branca e cristã tornaram-se respeitáveis (como o comprova a campanha eleitoral francesa). Será cedo para entender que se acirraram fanáticos?

(Publicado originalmente no i; à hora a que é aqui publicada, é claro que esta coluna está obviamente errada.)

5 comentários :

  1. Sem esquecer a rede alemäo neonazi, responsável pela morte de quantas pessoas (turcas) ao largo de 10 anos?

    Ah, mas a secreta alemä estava era "distraída" a espiar elementos potencialmente perigosos do Die Linke (Esquerda), presente no Parlamento Federal, no Conselho Federal, nos parlamentos estaduais.

    ResponderEliminar
  2. Islamofascismo ou islamonazismo foi um slogan bem conseguido que perpetua a memória do holocausto mas cala os 60 anos do maior gueto semita colonizado por eurropeus com sucexo (mas não muito)há 70 e poucos anos

    Houve várias vagas de terrorismo no século XX e XXI e os independentes sempre existiram

    chamassem-se Provos ou PLO's irlandeses ou palestinos UDF Franguis Mietoles Corsos Bascos

    ao meter-se alguém num gueto
    e alienar-se socialmente e economicamente

    surge gente desesperada que quer mostrar que tem valor agregando-se a uma causa...

    ver tendências em movimentos sociais brownianos..é (infantil? senil ? soarista? riscar a alternativa incorrecta (incorreta)

    ResponderEliminar
  3. Ricardo Alves disse...

    Bem lembrado, Maquiavel....ó home nã convém dizer ao napoleão que ele é napoleão...ódespois ele quer conquistar a europa

    Prove que não se trata de um robô
    Проверка по слову reCAPTCHA.....
    maquia á vel tá defunto à há ah...
    ânus

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.