terça-feira, 1 de novembro de 2011

Somos todos gregos

No meio de uma crise gerida pelos bancos, pelas bolsas, pelas agências de rating e pela senhora Merkel, Georges Papandreou é o primeiro que tenta dar a palavra ao povo. Haja democracia. O povo que decida. Se os gregos quiserem sair da UE (o que nem sequer está previsto nos Tratados...), que saiam. Se não conseguirem pagar, que não paguem. Só mesmo os «mercados» é que aguentam mais um ano de cortes salariais, aumentos de impostos e despedimentos. O povo, esse, está impaciente por se pronunciar. E livrem-se de repetir o referendo, ouviram?