sexta-feira, 2 de setembro de 2011

O mercado tem sempre razão

O título desta notícia do DN diz tudo: "Gestores não executivos recebem 7400 euros por reunião". No texto lê-se "Daniel Proença de Carvalho, António Nogueira Leite, José Pedro Aguiar-Branco, António Lobo Xavier e João Vieira Castro são os "campeões" deste tipo de funções". Em particular sobre o ministro da defesa lê-se "por duas assembleias gerais em 2009, Aguiar-Branco recebeu 8080 euros, ou seja, 4040 por reunião". São as leis do mercado - dirão uns - mas a verdade é que isto são práticas semelhantes às práticas da ENRON.

Lê-se ainda que a Semapa "não divulga o salário do advogado [Aguiar-Branco]". Num país com uma das maiores dívidas privadas da Europa (~240% do PIB, cerca de duas vezes e meia a dívida pública), o mínimo que se exige a um ministro que vem do sector privado é que seja absolutamente transparente sobre os seus rendimentos anteriores. Aqui, desafiamos Aguiar-Branco a divulgar o salário da Semapa, para perceber se o moralismo do governo não passa de retórica.