terça-feira, 6 de setembro de 2011

DSK não interessa à esquerda


(via cartoons)

Deixando de lado as questões judiciais (teoria da conspiração ou violação), o comportamento de DSK (Dominique Strauss-Kahn) é inaceitável para um distinto representante da esquerda. DSK não teve qualquer pudor em despejar em cima do sistema judicial americano toda a sua fortuna familiar, revelando um completo desprezo pela desigualdade colossal entre a sua condição socioeconómica e a da queixosa. Percebe-se que não acredita num sistema judicial igualitário, onde ricos e pobres possam ter os mesmos instrumentos de defesa, nem tem interesse que assim seja. Ficámos a conhecer melhor um homem cujas opções de vida pessoal e familiar demonstram que não acredita no ensino público, nos transportes públicos, revelaram um indivíduo marialvista e que não hesita em fazer uso do seu poder em instituições públicas para resolver situações pessoais (ler carta da funcionária húngara que saiu do FMI depois do caso com DSK). As suas opções políticas à frente do FMI falam por si.

O que mais me perturba é energia que se gasta à esquerda para tentar desculpar o indesculpável relativo a DSK. Há bem melhores candidatos em França para bater Sarkozy.