quinta-feira, 9 de junho de 2011

Por que desce o Bloco – lições à esquerda

Para um indefetível trotskista, ou maoísta, ou estalinista, estas diferentes fações são incompatíveis e provavelmente não podem coabitar no mesmo partido. Para quem viva realmente no séc. XXI e ache que tais distinções fazem parte da história (e só dela), há um grande partido de esquerda de protesto em Portugal: o PCP. Nem sempre este partido se afirmou como esquerda de protesto, mesmo num passado recente, com Carlos Carvalhas; mas com a ascensão de Jerónimo de Sousa e a saída dos membros da Renovação Comunista, parece ser esse o papel que este partido reservou para si. Há setores do Bloco de Esquerda que o querem disputar, mas quem esteja de fora dessa área acha que esse papel já está bem entregue ao PCP. Mesmo se acabem a votar com o protesto na cabeça, mais facilmente preferem votar num protesto inequívoco como o do PCP que num voto ambíguo, nem que seja para castigar essa mesma ambiguidade (foi o meu caso). O essencial já foi dito, e bem, a meu ver, pelo Daniel Oliveira: se o Bloco insistir em rivalizar com o PCP, mais do que um partido sem futuro torna-se um partido inútil. E isto é particularmente triste quando, com um PS que nunca esteve tão encostado ao centro, faz falta como nunca antes uma força partidária de esquerda reformista mas que jamais pactue com a direita.
Acresce o que já aqui escrevi, num comentário a um texto do Miguel: reparemos nas eleições todas desde 1990 (pelo menos): a esquerda à esquerda do PS só tem bons resultados quando é garantido que o PS ganha (1999, 2005 e 2009). Quando a vitória do PS está em dúvida (2002 e agora), anteriormente o PCP e presentemente o Bloco vêm por aí abaixo. Há um potencial eleitorado destes dois partidos que, apesar de naturalmente votar neles, claramente prefere o PS no poder. E não há maneira de estes partidos perceberem isso, sendo que o Bloco, cujo “núcleo duro” ou “eleitorado mínimo garantido” é muito inferior ao do PCP, é quem mais se prejudica por esta atitude.

5 comentários :

  1. Ó Filipe então e 2009? Um aumento de 50% de votos e 100% de mandatos não é um bom resultado?
    Concordo com a maioria da tua análise mas essa parte da inevitabilidade do BE e PCP descerem quando existe risco do PS perder não me parece certa.

    Abraço

    GCS

    ResponderEliminar
  2. não é impunemente que se mete medo ao funcionalismo que se acha mal pago e que vota no bloco

    ResponderEliminar
  3. Tens razão, Gonçalo. Já foi corrigido. Obrigado. Abraços.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.