sexta-feira, 3 de junho de 2011

Apesar do Tunes e do Serras Pereira

Trancrevo aqui uma série de impressões que troquei no Facebook com o meu amigo Ricardo Santos.

Ricardo Santos Em 2010, quando os comunistas do Porto alertavam para a diminuição de verbas do PIDDAC para o distrito, ninguém ligou muito. Hoje, o JN vai, e bem, buscar isto: "Estado deu cinco vezes mais a Lisboa do que ao Porto"

Filipe Moura O mesmo jornal, na capa, demonstra que é sobretudo graças ao distrito do Porto que a direita vai ter maioria absoluta. A tripeiragem não devia era receber dinheiro nenhum.

Ricardo Santos A direita terá maioria absoluta quer ganhe PS ou PSD.

Filipe Moura Não está agora em causa o apoiar-se o PS ou votar-se no PS. Está em causa distinguir entre quem quer manter uma escola pública, uma saúde pública, alguns (reconheço que muito poucos) setores estratégicos públicos... e quem quer privatizar tudo. Pelo menos distinguir entre o mau e o muito mau, e não simplesmente (para ti é tudo tão simples, não é?) achar que maus são "os outros", todos os que não estão connosco.

Filipe Moura Aqui em Braga é sempre difícil, pois não está garantida a eleição nem do candidato da CDU, nem no do Bloco. Estava sinceramente indeciso em quem havia de votar. Este teu singelo comentário acabou por me fazer definitivamente decidir. Sinceramente, obrigado.

Ricardo Santos Para mim é simples pegar em seis anos de PS no Governo e compará-los ao PSD. Depois verificamos que votaram lado a lado mais de 90% de tudo o passou pela AR. É daí que tiro a minha conclusão. A diferença entre nós, Filipe, é que tu contentas-te com o mal menor, eu quero o melhor.

Ricardo Santos bem, se era por isto que estavas indeciso podias ter dito há mais tempo que eu tirava-te a dúvida...

Filipe Moura Eu não me contento com o mal menor. Eu também quero o melhor, mas se queres melhorar as coisas não podes estar irredutível naquilo que consideras "o melhor". É matemático. É da teoria dos jogos.
Obrigado mais uma vez.

Ricardo Santos Irredutível? Quem? É mentira que as verbas do PIDDAC para o Porto sofreram um corte drástico? É mentira que no parlamento o PS e o PSD convergiram em mais de 90% das votações? Mas lamento ter-te ajudado a decidir votar no bloco. Não é que não faça sentido, que o bloco tb apoiou o Alegre, como o PS, aprovou a entrada do FMI na Grécia na AR, como o PS (and so on)

Filipe Moura Em política ter sempre razão não é o mais importante, Ricardo. O importante é os resultados concretos que se obtêm, as pontes e colaborações que se é capaz de criar. Admito que sim, que o PCP tem sempre razão. O grande problema do PCP é ess...e - o ter sempre razão e querer ter sempre razão. Em política tens que ser capaz de trabalhares com quem não tem razão. É por isso que, em democracia, o PCP não serve para nada. Só serve para me dizer "sim, temos razão." E daí?

Ricardo Santos Sim, Filipe, vota com o Tunes. Vai fazer a esquerda grande! http://agualisa6.blogs.sapo.pt/1837156.html

Filipe Moura É claro que voto com o Tunes e, pior ainda, com o Miguel Serras Pereira. E quando votei no PS votei em gajos bem piores como o Lello. Justamente: o PCP só tem boa gente. O PCP tem sempre razão (estou a falar a sério). E mais uma ...vez falo a sério quando te digo que isso não serve para nada. Vivemos numa democracia. O que conta é a maioria, a generalidade das pessoas. Se as pessoas fossem todas inteligentes votavam no PCP. Mas a generalidade das pessoas são estúpidas, ou pelo menos não são muito inteligentes. Tens que te saber misturar com quem não gostas, se queres obter resultados concretos. Se só és capaz de fazer política com quem pensa como tu, só sabes governar em ditadura (mesmo que não a defendas - não é isso que eu digo). Esse teu argumento do comentário de cima só vem reforçar o que eu digo.

Ricardo Santos Não acho que a generalidade das pessoas seja estúpida. Há gente esclarecida e menos esclarecida. E ainda bem que vivemos numa democracia e será através dela que, quando o povo quiser seremos poder. Não o seremos a qualquer custo, nem querem...os crescer só por crescer, para depois cair num poço sem fundo. é um facto, somos diferentes. E se achas que gosto de toda a gente do meu Partido, estás enganado. Misturo-me com quem quer que seja se o objectivo for comum e claro. Não embarco em ambiguidades, gosto de dar passos certos e concretos, com um objectivo claro e um rumo definido. Se não for assim, nem o meu Partido, nem qualquer outro movimento contará comigo. É uma posição pessoal, não a tem a ver com o PCP. Se coincide com a posição do meu Partido, melhor ainda, é sinal que estou no lugar certo e o meu partido está, quanto mim, no rumo certo.
Agora vou dormir, que andei os últimos dias empoleirado em postes a colocar pendões. Um abraço.

PS (salvo seja): responderei amanhã se entenderes comentar.
PS 2 (salvo seja, salvo seja): vê se apareces por Leça!

Filipe Moura Agora que se aproxima a época balnear claro que hei-de aparecer em Leça, a terra do grande Domingos Paciência. Olha, posso transcrever algumas partes da nossa conversa (nada de pessoal) para o blogue? Se quiseres não te identifico. Um abraço.

Ricardo Santos podes com certeza, abraço. até te mostro a casa onde cresceu o treinador do teu clube, num bairro requalificado... graças à CDU!

Sem comentários :

Enviar um comentário

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.