sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Pertencer à mesma equipa



Em "To the Castle and Back", Vaclav Havel critica uma despropositada carga da polícia checa sobre jovens manifestantes, num episódio ocorrido já depois do fim da era comunista. Havel lamenta-se que aquela intervenção teve como principal resultado cavar um fosso entre o estado e os jovens, separando-os, fazendo com que uns e outros não sintam que pertencem à mesma equipa.

Conheço mal Londres, mas quando estive em Birmingham foi para mim muito claro que os seus habitantes já não pertenciam à mesma equipa. Já havia gente de costas voltadas, havia o nós e os outros, a fazer lembrar o divórcio entre as cités e a sociedade francesa. A diferença é que em França os guetos foram criados por decreto no tempo de Pompidou e no Reino Unido foi a mão invisível que foi empurrando gente desempregada, gente em situação precária, com os mesmos problemas, para os mesmos bairros.

Depois acabar com os bairros da lata, o próximo passo da Europa deverá ser acabar com os guetos. Misturar ricos e pobres, cultos e menos escolarizados, imigrantes e autóctones, fazer-lhes sentir que as cidades pertencem a todos e que são um espaço de partilha.

3 comentários :

JDC disse...

Pergunta para queijinho: quem é que, constantemente, fala de confronto, de luta, de oposição, de dicotomia?

Song The Sangue disse...

Conheço mal....

Ora nem eu conheço londres nem Birmingham e vivi nas duas anos

Nem conheço Lisboa

são coisas muito grandes para se dizer conhecer

e que mudam sempre

Birmingham tal como Belfast

são as cidades em decadência

desde que o carvão e o aço

foram à vida

dos 500 mil de Belfast
restavam 350 mil em 1990

Birmingham não perdeu população devido aos migrantes hindus siks sicks y paki

e antilheiros jamai can's

logo ó pessoa

divisões sempre houve

e di cotomias são coisas muito simples

como diz o perfgfunta queu queijinho......

pensamento linear né

nem chega a dicotómico...

a dito cómico chega

الرجل ذبح بعضهم البعض ولكن الخيول باهظة الثمن disse...

Κυριακή, 14 Αυγούστου 2011
A REVOLTA DOS ANARKAS NA ANÁRKICA CIDADELA DOS AUTARKAS
POR ESTAS SEMANAS DESTES MESES QUE FORMAM UM ANO

EM TERRAS ESTRANHAS E DISTANTES

AS CIDADELAS DOS AUTARKAS

CHEIAS DE ANARKICAS GENTES

DE BARRIGAS VAZIAS OU FARTAS

MAS DE SONHOS CHEIAS

DESCERAM ÀS RUAS PARA FAZER OUVIR OS SEUS MUDOS PROTESTOS

NO VAZIO DO KAOS EM PROCESSO DE DESORGANIZAÇÃO

AS AUTÁRKICAS GENTES QUE ASPIRAM A MANTER ETERNAMENTE O STATUS CU

CHAMARAM-LHE VÂNDALOS E BANDIDOS SEM LEI

NOUTROS TEMPOS CHAMAR-LHES-IAM GREVISTAS COMUNISTAS OU INIMIGOS DO POVO

MAS EM GENTES PEQUENINAS E SEM EMPREGABILIDADE

FALTARAM OS TERMOS E AS PALAVRAS

NOUTROS TEMPOS SERIA REBELDES SEM CAUSA

OU CORSÁRIOS DA REVOLUÇÃO

MAS EM TEMPOS DE KAOS ECONÓMICO

NOSSOS AUTARKAS CLAMAM

VADIOS

E VADIOS SÃO

tal como vós ó autarkas vadios

autarkas sem autarkia mas com basta cidadela