terça-feira, 10 de julho de 2012

Continua o debate sobre a circuncisão

O Público tem um artigo bem documentado sobre a circuncisão que vale a pena destacar.

Primeiro, quanto à questão médica.
  • «Por razões de saúde (a higiene era o argumento invocado), foi defendida nos Estados Unidos, onde nos anos 1980 cerca de 80% dos rapazes eram circuncidados. Esta percentagem tem vindo a descer, com 57% em 2008. Nos EUA, tem havido um debate sobre os benefícios da prática e um movimento cada vez maior que a questiona (os "intactivistas" que tentaram proibir as circuncisões de bebés), à medida que surgem notícias de mais benefícios de saúde (menos transmissão do vírus HIV em relações heterossexuais em homens circuncidados, o que levou a uma recomendação da OMS, uma possível diminuição do risco de cancro da próstata; nenhuma suficiente, no entanto, para a associação americana de Pediatria passar a recomendar o procedimento).»
Segundo, quanto aos dogmas religiosos.
  • «A circuncisão é praticada nos antigos rituais religiosos muçulmanos e judaicos. Não está referida no Corão, mas é considerada a marca da entrada da criança na comunidade, e é feita em geral entre os 2 e os 5 anos de idade. Já entre os judeus está definida na Torah: deve ser feita ao oitavo dia de vida.»
Finalmente, quanto aos fantasmas invocados por um rabi.
  • «"A decisão de Colónia é talvez um dos mais graves ataques à vida judaica na Europa no mundo pós-Holocausto"».
Portanto, proteger a integridade física das crianças é, do ponto de vista deste senhor, «atacar» o judaísmo. Mutilar crianças sem qualquer razão médica não deve ser «ataque» algum, na perspectiva dele.

12 comentários :

  1. Ricardo... "les mèrdias" que atacam Merah, ignoram este "affaire".
    http://fr.wikipedia.org/wiki/Affaire_Sa%C3%AFd_Bourarach
    http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&NR=1&v=imYxvS-eGMQ

    ResponderEliminar
  2. Ricardo Alves

    Não se quer proteger a integridade física das crianças. O que se pretende é mudar os fundamentos de uma religião. Ser circuncidado significa passar a ser judeu. O que o tribunal diz é que só se pode ser judeu quando se for adulto. Quer-se destruir a identidade dum povo? Qual é o interesse disso?

    Fico surpreendido com a sua adesão a esta campanha. Sempre o julguei como uma pessoa sensata, moderada, que sabia pensar e capacidade crítica e vê-lo nesta cruzada moral anti-judaica deixa-me profundamente desiludido. Claro que é problema meu, não é seu. Mas não vou voltar mais a este blog. É a minha forma de protesto.

    A circuncisão não é uma mutilação. Isso é uma treta. Furedi (um sociólog inglês, ateísta e apoiante da British Humanist Association) disse-o muito bem:

    "In reality, male circumcision as practised by Muslims and Jews involves the removal of the foreskin. And the fact that millions of boys are circumcised for non-religious reasons, either at birth or later in life after a health complication, shows that it is not a form of mutilation.

    So how can an operation condemned as ‘sexual mutilation’ in one instance be advocated as an unobjectionable and sound medical procedure used to improve someone’s health in another instance? It seems pretty clear that it is not the physical aspects of circumcision that disgusts the moral crusaders, but rather its cultural meaning for some communities."

    O que vem a seguir? Proíbem-se os baptizados para as crianças não se constiparem?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um baptismo não é uma mutilação. E se acha que a «cultura» é mais importante do que a integridade física das crianças, não sei que argumentar consigo. Se existisse uma cultura em que fosse normal cortar um dedo às crianças, ou retirar parte da anatomia feminina, também aceitaria?

      Já lhe expliquei que acho mais importante os interesses da criança do que a religião dos pais. Mas estou habituado a que me responda com processos de intenção. Ou que anuncie que se retira do blogue.

      Ah, o Frank Furedi: é de origem judaica. Poderia ter acrescentado isso, António...

      http://www.spiked-online.com/index.php?/site/article/3132/

      Eliminar
    2. cruzada moral anti-judaica?

      os judeus são só 1% dos circuncisos

      este tamém nã sabe fazer con tas...

      Eliminar
  3. con ti nua?
    bolas até a esquerda se vendeu à pornographia da res púbica qu'encana...é triste

    nã há 1600 milhões de muçulmanos com circuncisão
    200 milhões deles também praticam a feminina que é mais dada a infecciosidades

    agora mutilação genital com piercings em putos de 11 e 12 anos e em putas da mesma idade ok...né

    e tatuagens e outras fontes de hepatite

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este fascista, neonazi hebreu, cigano, não reparou que até no Zimbabué foi recomendada a circuncisão para evitar o aumento da taxa de transmissão do HIV e da Crise.
      Do cancro da próstata sinceramente não estou a ver a relação?
      Sem prepúcio fodem mais e a próstata não entra em hiperplasia?
      Essa é digna do Alves dos Reis, isso é.

      Eliminar
  4. Ricardo Alves,

    Para terminar:

    1) A circuncisão não é uma mutilação; se o fosse, milhares de médicos deviam ser metidos na cadeia; esse argumento é um absurdo para justificar as posições anti-judaicas;

    2) A circuncisão é completamente inócua para a saúde dos circuncidados; até a Organização Mundia de Saúde a recomenda;

    3)Os exemplos que coloca são absurdos: a circuncisão genital feminina é mesmo uma mutilação porque tem consequeências na vida sexual da mulher; cortar uma mão ainda existe nalgumas culturas e sou contra. A cricuncisão masculina não é uma mutilação. Não tem argumentos para defender esse absurdo.

    4) Só o vi usar esse argumento - "interesse da criança" em assuntos de natureza religiosa. Nunca o vi falar em "interesse da criança" em casos de violência doméstica, pedofilia (ah! esqueci-me! se for um padre já interessa o "interesse da criança"!), etc. Só quando mete "religião" pelo meio é que vem o "interessa da criança"; o resto não lhe interessa.

    5) O Frank Furedi não pode ter uma opinião por ser judeu? Quem tem interesses próprios no tema não pode ser opinião? Qual é o motivo que impede o Furedi de ter opinião e dá o direito ao Ricardo Alves, que é um militante anti-religioso com uma actividade pública de emitir opinião sobre o assunto? A democracia é assimétrica? Uns podem e outros não podem?

    Dou por terminjado este diálogo.

    Não lhe mando cumprimentos porque estou muito chateado consigo. Quando se tem admiração por uma pessoa e depois essa admiração cai a pique é tramado.

    ResponderEliminar
  5. António Parente,
    respondendo pela mesma ordem...

    1) A circuncisão é retirar parte da pele. Nesse sentido, é uma mutilação.

    2) Não é sempre inócua. Muito longe disso. Veja aqui:

    http://www.thewholenetwork.org/consequences-of-circumcision.html

    3) A circuncisão também tem consequências na vida sexual dos homens.

    4) Sou contra o abuso sexual de menores por causa do interesse da criança.

    5) O Frank Furedi tem as opiniões que quiser. Quem o lê há mais de dez anos, como é o meu caso, sabe o que esperar dali. Simplesmente, se o António referiu o facto de ele ser ateísta e humanista, porque é que eu não hei-de referir as origens judaicas do senhor?

    Extras:

    6) Não venha falar em «anti-judaísmo». O caso sobre o qual o tribunal alemão se pronunciou envolvia uma criança filha de pais muçulmanos. E hoje, na Europa, devem realizar-se mais circuncisões por «motivo muçulmano» do que por «motivo judaico». (Já sei o que vai responder.)

    7) Nunca pensei que tivesse admiração por mim.

    ResponderEliminar
  6. Ricardo Alves

    1) Parece-me que se usa a palavra "mutilação" só pelo impacto publicitário, nada mais;

    2) Se entende que a circuncisão tem perigos, então faça lobbying para convencer quem a faz a abdicar dela; influencie também a comunidade médica, dê conselhos aos pais para procurarem conselho especializado antes de avançarem para a circuncisão, vá junto das comunidades muçulmanda e judaica e convença-os que estão errados. Essa é a maneira correcta de fazer as coisas. Ou pensa proibir e depois mete a polícia a ver pilinhas para descobrir quem fugiu á lei?

    3) Tem consequências? Não conheço. Se assim é, a OMS é uma organização criminosa porque defende a circuncisão. Faça campanha contra a OMS, então; fico à espera.

    4) Muito bem, estamos de acordo. O abuso sexual é um crime, seja em crianças ou em adultos.


    5) Vejo que não gosta do Furedi. Eu gosto de o ler. Não achei importante valorizar todos os aspectos da vida dele, nomeadamente o ser judeu. Também podia ter dito que já foi comunista e de esquerda. Salientei que era ateísta para lhe mostrar que ser ateísta não significa qualquer extremismo ideológico.

    6) Se sabe o que eu vou responder, passo adiante.

    ResponderEliminar
  7. Alguém aqui me consegue explicar como é que a circuncisão diminui o risco de infecção por HIV?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, não apenas o de HIV, mas também o de clamídia, sapinhos (vulgo candida albicans, ets etx et do spielberg

      tem a ver com a mucosa, ao ser dobrada e redobrada aumenta as condições para o desenvolvimento bacteriano (humidade etc) e logo para aparecerem lesões e inflamações que permitirão o desenvolvimento de infecções oportunistas subsequentes

      lesões ao nível da mucosa facilitam a entrada de virus num sistema muito vascularizado superficialmente...é simplex
      biologia básica

      já o cancro da próstata...pra mi é un mysterio
      se fosse cancro do pénis por infecção papilonar (HPVirusesh já era otra chose

      mas isto de o fazer con a esquerda dá sinistra li dade...

      Eliminar
    2. 25 bit con's pela con sulta pode mandar por bitxeque ou bitxá

      o virus HIV tem uma baixa prevalençe de reentré por pele em bom estado ou mucosas no mesmo

      já o hpv ultrapassa até microfracturas no latex vulgo...poys pecebido?
      nã?
      atão fica con u money

      Eliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.