quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Um exemplo prático

Para os que não acreditam, gostava de deixar aqui, sem me alongar muito, alguns números que ilustram eloquentemente o que digo.  O Texas foi governado por George W. Bush de 1995 a 2000 e de 2000 até agora por Rick Perry, dois neoliberais que acham que o estado oprime e que quanto menos regulamentos houver melhor.

Segundo eles, os empresários ricos são ricos porque têm uma ética do trabalho excepcional e a maioria deles é suficientemente sã e decente, e não quer destruir o planeta onde os filhos vão crescer.  Daqui decorre que não faz sentido nenhum (é até imoral) cobrar-lhes impostos para financiar uma máquina burocrática cujo objectivo é regulamentar a actividade deles e colocar entraves ao génio e ao crescimento económico.  Se os melhores entre nós são empreendedores e se fazem empresários de sucesso, criam riqueza e empregos, os que vão preeencher os lugares da função pública regulamentadora são por definição menos empreendedores e, nesta ordem de valores, piores cidadãos (como diria a Ayn Rand).

O resultado desta ideologia (self-regulation), ao fim de 17 anos é parcialmente quantificável.  Aqui ficam as posições do Texas no ranking nacional (50 estados) em 2011.  O Texas é o segundo estado mais rico da União, a seguir à Califórnia, em termos de GDP per capita.  Neste contexto acho que os números ilustram bem o resultado das políticas neoliberais:

Valor médio dos salários, por hora de trabalho: 38 (trigésimo oitavo lugar);
Impostos recolhidos per capita: 46 (quadragésimo sexto lugar);
Despesa por aluno em escolas públicas: 47;
Perecentagem da população com mais de 25 anos que acabou o liceu: 50;
Sucesso escolar (liceu): 43;
Investimento em agências estatais dedicadas às artes: 43;
Nascimentos: segundo;
Percentagem da crianças sem seguro de saúde: primeiro!
Percentagem de crianças que vivem na pobreza: quarto;
Percentagem de crianças imunizadas: 34;
Percentagem da população sem seguro de saúde: primeiro;
Percentagem da população comseguro de saúde comparticipado pelo empregador: 48.
Despesa do estado em saúde mental: 50;
Despesa do estado no sector da saúde em percentagem do produto bruto do estado: 43;
Percentagem da população a viver na pobreza: 4;
Percentagem da população sem garantias de comer todos os dias: segundo;
Percentagem dos habitantes que vão ao dentista: 46;
Gravidezes em teenagers: sétimo;
Percentagem de mulheres não idosas com seguro de saúde: 50;
Percentagem das mulheres que foram ao dentista em 2010: 45;
Percentagem das mulheres que faz mamogramas depois dos 40 anos: 40;
Incidência de cancro da mama: 42;
Percentagem de mulhers que tem acesso a assistência médica no primeiro trimestre da gravidez: 50;
Percentagem de mulheres que votam: 49;
Planos de reforma: 47;
Average credit score: 49;
Percentagem de eleitores que vota: 45;


Ambiente:
Emissões de dióxido de carbono per capita: primeiro;
Emissões de compostos orgânicos voláteis: primeiro;
Emissões de gases tóxicos: primeiro;
Descargas de carcinogénicos na água: 7;
Número de lixeiras tóxicas: 7;
Consumo de energia per capita: 5;
Trabalhadores sindicalizados: 41;
Desigualdade (média 20% mais ricos/20% mais pobres): 9;
Desigualdade entre os ricos e a classe média: 5;
Acesso à internet: 42;
Execuções: primeiro!
Crime: 35;
Crime violento: 16;
Assassínios: 20;
Percentagem de assassínios com armas: 23;
Violações: 21;

Isto é o capitalismo desregulamentado: o segundo estado mais rico é o trigésimo oitavo em salários e o quadragésimo sexto em receitas fiscais.  O resultado?  As estradas são miseráveis, os telefones lentos, a internet péssima e caríssima, as pessoas ignorantes, abrutalhadas, gordas (somos o décimo estado em obesidade), frustradas, infelizes, supersticiosas...

3 comentários :

  1. E só é o o 2.o estado com mais alto PIB per capita porque tem o petróleo...

    ResponderEliminar
  2. Devo dizer que fiquei bem entusiasmado quando vi a criação de um movimento de um movimento independentista do Texas.
    Seria uma experiência social bem interessante :)

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.