sábado, 5 de janeiro de 2013

E agora não me interrompam, que eu estou concentradíssimo

Deu muito que falar este desabafo da atriz Maria do Céu Guerra no Facebook:
Vi agora na Televisão que o Paulo Futre acaba de dobrar um filme para crianças. É extraordinário. Num país onde os actores profissionais precisam de contratos e de trabalho, qualquer pessoa que se notabilize em qualquer área pode substitui-los num trabalho que eles sabem fazer, estudaram e treinaram-se para isso e é a sua área profissional. A Lili Caneças já fez Tenessee Williams. Não sei quantas actrizes nesses meses estavam desempregadas. Ou a fazer papelinhos na TV para sobreviverem. Os ex-políticos ocupam cargos da área da Cultura, nas Fundações, etc, etc. Será que não há pessoas de Cultura para esses cargos? Por que é que um Reitor quando se reforma vai para casa e um banqueiro vai para administrador da Gulbenkian? Os criadores, os actores são uma espécie de ursos que vão para o circo presos por uma corda e quem ganha o dinheiro é o dono do circo, o dono do urso e o dono da corda. E se algum deles souber dar cambalhotas manda-o abater. Não será altura de dizermos que assim não vale. Eu estou farta. Não quero que nos dêem emprego, quero que não nos tirem os nossos.
Compreendo as razões da atriz e concordo em certos aspetos, mas no essencial creio que não tem razão. Eu não tenho formação nenhuma em jornalismo, e trabalhei como jornalista científico em 2006; se o critério de Maria do Céu Guerra patente na sua última frase valesse, não teria tido esse trabalho, que muito prazer me deu, e que creio ter desempenhado bem. Mas alguma formação eu tinha (já era cientista, e era um cargo de jornalismo científico). O melhor contraexemplo é o de Susan Boyle, unanimemente considerada um grande talento vocal, descoberta acidentalmente num programa de televisão, e nunca teve aulas de canto. Seria melhor nunca ter sido descoberta? Outro exemplo é o da deputada e advogada Odete Santos, um talento histriónico natural, a atuar numa revista. Desde a célebre conferência do jogador chinês que se percebeu que o Paulo Futre tinha um talento natural para o entretenimento. Esse tipo de talento não requer preparação nem estudo. De resto, creio que entre as profissões intelectuais e/ou não-braçais há que distinguir as que requerem uma vocação (médico, cientista, historiador…) e as que requerem talento (ator, músico, pintor, futebolista…). Ao contrário das primeiras, as segundas podem ser exercidas, a um nível elementar, sem nenhum tipo de preparação que não seja o próprio talento, a ser apreciado pelo público. É claro que um cantor não pode cantar ópera sem anos de estudo; mas não há mal nenhum na Susan Boyle. È evidente que há uma grande diferença entre Lili Caneças representar Tenessee Williams no teatro e a Odete Santos fazer uma revista ou o Paulo Futre fazer uma telenovela ou uma dobragem de um desenho animado, num papel curto (é essa a confusão de Maria do Céu Guerra, que mistura tudo). Não digo que não compreenda a revolta e a frustração de Maria do Céu Guerra ao ver tantos colegas seus desempregados e Futre a desempenhar uma missão que ela acha, legitimamente, que seria melhor desempenhada por eles. Tão pouco irei cair no extremo cinismo de lhe responder que esses seus colegas, tão bem preparados para representarem os melhores dramaturgos, certamente sentir-se-iam frustrados ao dobrarem desenhos animados, como respondem certos engenheiros que dão aulas de física e matemática em politécnicos ao desculparem-se por promoverem mais um assistente e não contratarem mais um doutorado. Não, não direi isso. Apenas lhe faço ver, como já disse, que em profissões criativas para “talentos” estes podem sempre surgir, pelo que não faz sentido falar nos “nossos empregos”. O resto é a frustração normal com as preferências populares, que eu também partilho. Mas a culpa não é do Futre.

2 comentários :

  1. O corporativismo é um mal deste país que, infelizmente, não morrerá depressa.

    ResponderEliminar
  2. Respondendo ao Luís Lavoura, cujo comentário foi apagado (peço desculpa, mas por favor não responda a comentários do anónimo dos mil pesudónimos): a distinção entre profissões de "vocação" e profissões de "talento" é, creio eu, bem explícita no texto. Mais básica ainda é a distinção entre intelectuais e operários, num sentido lato: essa, o Marx explica.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.