segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Tony Judt

O conhecido professor da NYU morreu hoje, aos 62 anos. A direita nunca lhe perdoou o ensaio brilhante da New York Review of Books de 2003. A ideia básica não era nova - Tom Friedman já a tinha explicado no livro From Beirut to Jerusalem - mas a verdade às vezes dói e é preciso coragem para a enfrentar: o número de não judeus dentro das suas fronteiras não permite que Israel possa ser um estado judeu e democrático ao mesmo tempo. Mas Tony Judt foi mais longe e explicou que Israel é um anacronismo no mundo de hoje, "a world where nations and peoples increasingly intermingle and intermarry at will; where cultural and national impediments to communication have all but collapsed; where more and more of us have multiple elective identities and would feel falsely constrained if we had to answer to just one of them;"

O aviso, claríssimo, caíu mal nos meios da direita americana: "In today’s “clash of cultures” between open, pluralist democracies and belligerently intolerant, faith-driven ethno-states, Israel actually risks falling into the wrong camp."