sábado, 7 de agosto de 2010

A Pide perante o novo mundo

A pérola que anda a circular pela blogo-esfera neste momento: o relatório da PIDE sobre o festival de Vilar de Mouros. Notar as preocupações dos «informaçõezinhas».
  • «Distribuição Presidência do Conselho, Ministério do interior, Ministério da Educação Nacional
    Assunto: Festival de música “Pop” em Vilar de Mouros
    (...)
    O recinto do festival era uma clareira cercada de eucaliptos, com um taipal à volta e uma grade de arame do lado do ribeiro.
     

    Na noite de 7 estavam muitos milhares de pessoas e muita gente dormiu ali mesmo, embrulhada em cobertores e na maior promiscuidade.
    Entre outros havia:
    crianças de olhar parado indiferentes a tudo
    grupos de homens, de mão na mão, a dançar de roda
    um rapaz deitado, com as calças abaixadas no trazeiro
    um sujeito tão drogado que teve de ser levado em braços, com rigidez nos músculos
    relações sexuais entre 2 pares, todos debaixo do mesmo cobertor na zona mais iluminada
    sujeitos que corriam aos gritos para todos os lados
    bichas enormes a comprar laranjadas e esperando a vez nas retretes (havia 7 ou 8 provisórias) mas apesar disso, houve quem se aliviasse no recinto do espectáculo.
    porcaria de todo o género no chão (restos de comida, lama, urina) e pessoas deitadas nas proximidades

    (...)
    A população da aldeia, e de toda a região, até Viana do Castelo, a uns 30 km de distância, estava revoltada contra os “cabeludos” e alguns até gritavam de longe ao passar “vai trabalhar”. Foram vistos alguns a comer com as mãos e a limparem os dedos à cabeleira.
    Viam-se cenas indecentes na via pública, atrás dos arbustos e à beira da estrada.

    Em Viana do Castelo dizia-se que os “hippies” tinham comprado agulhas e seringas nas farmácias da cidade.
    Havia muitos estudantes de Coimbra, e outros que talvez fossem de Lisboa ou do Porto. Alguns passaram a noite em Viana do Castelo em pensões, e viam-se alguns de muito mau aspecto, parece que vindos de Lisboa, que ficaram numa pensão.

    Houve gritos de Angola é... (qualquer coisa) durante a actuação do conjunto Manfred Mann (de que faz parte um comunista declarado, crê-se que chamado Hugg).
    (...)»

2 comentários :

  1. não percebo, isto é verídico ou uma construção?

    O recinto do festival era uma clareira cercada de eucaliptos,

    parece muito simplista eucaliptos tão a norte nos anos 70,com a propriedade tão fragmentada e com a Socel em setúbal como única compradora?

    com um taipal à volta e uma grade de arame do lado do ribeiro.

    Na noite de 7 estavam muitos milhares de pessoas e muita gente dormiu ali mesmo, embrulhada em cobertores e na maior promiscuidade.
    Entre outros havia:
    crianças de olhar parado indiferentes a tudo
    grupos de homens, de mão na mão, a dançar de roda
    um rapaz deitado, com as calças abaixadas no trazeiro
    um sujeito tão drogado que teve de ser levado em braços, com rigidez nos músculos
    relações sexuais entre 2 pares, todos debaixo do mesmo cobertor na zona mais iluminada
    sujeitos que corriam aos gritos para todos os lados
    bichas enormes a comprar laranjadas e esperando a vez nas retretes (havia 7 ou 8 provisórias) mas apesar disso, houve quem se aliviasse no recinto do espectáculo.
    porcaria de todo o género no chão (restos de comida, lama, urina) e pessoas deitadas nas proximidades
    (...)
    A população da aldeia, e de toda a região, até Viana do Castelo, a uns 30 km de distância, estava revoltada contra os “cabeludos” e alguns até gritavam de longe ao passar “vai trabalhar”. Foram vistos alguns a comer com as mãos e a limparem os dedos à cabeleira.
    Viam-se cenas indecentes na via pública, atrás dos arbustos e à beira da estrada.

    Em Viana do Castelo dizia-se que os “hippies” tinham comprado agulhas e seringas nas farmácias da cidade.
    Havia muitos estudantes de Coimbra, e outros que talvez fossem de Lisboa ou do Porto. Alguns passaram a noite em Viana do Castelo em pensões, e viam-se alguns de muito mau aspecto, parece que vindos de Lisboa, que ficaram numa pensão.

    Houve gritos de Angola é... (qualquer coisa) durante a actuação do conjunto Manfred Mann (de que faz parte um comunista declarado, crê-se que chamado Hugg)....parece-me ser uma versão
    se real muito deturpada

    Em Viana do Castelo dizia-se que os “hippies” tinham comprado agulhas e seringas nas farmácias da cidade....na farmácia só havia uma
    setúbal com 80mil pessoas tinha 4
    évora duas...
    e comprar seringas sem receita médica....aaanh, seringas de vidro
    pesadas quando as injecções eram dadas por enfermeiros ou nos postos da cruz vermelha
    é mesmo de alguém que ou está xéxé ou nunca viveu nos anos 70
    lamento parece-me um texto construido
    tem muitas (como diria o seu João vasco )muitas singularidades o
    texto

    ResponderEliminar
  2. estive a ler o artigo
    acho esquisito foi retirado de um relatório parece um pouco (muito)

    vago parece mais um artigo jornalístico

    dizem que nas farmácias, se fosse um relatório teria na farmácia baião venderam-se 3 seringas

    já há cocainómanos registados e controlados desde os anos 20 e os gajos tinham experiência disso

    tantos agentes e bufos a fazerem relatórios e era isto que saia
    que folclórico

    por um míudo que tinha 2 anos ter deixado acidentalmente deixado cair um martelo do 3ºandar, sobre um carro de um padre houve um relatório de análise de 3 páginas

    e 3000 pessoas mereciam 3 parágrafos?

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.