segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

O Bloco censura-se a si próprio

A moção de censura do Bloco de Esquerda já conseguiu dividir o próprio campo político que a propõe: a Renovação Comunista faz críticas tão contundentes que até me interrogo como votará o respectivo deputado; Daniel Oliveira, «voz» informal do sector-BE nos media, critica sistematicamente todas as possíveis razões da moção; e a oposição interna pede convergência com o PCP.

Como nem o BE parece desejar que o PSD vote ao seu lado, entende-se que o objectivo principal do BE será «descolar» do PS. O que é no mínimo estranho, pois não é necessário que nos façam o desenho: semanas depois de uma campanha eleitoral em que todos entendemos que boa parte do PS e uma parte significativa do BE convivem mal lado a lado, que o PS e o BE são partidos diferente é claríssimo.

Esta moção de censura, para já, serve para expor as tensões internas do BE. E, se Passos Coelho for cínico quanto baste, servirá para antecipar as legislativas.