quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

O que será da cultura dos nossos filhos com exemplos destes?

Francisco José Viegas, que foi Secretário de Estado da Cultura do actual governo, dirige-se publicamente ao Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais do seu governo nos seguintes  (e muito elevados) termos:
  • «Caro Paulo Núncio: queria apenas avisar que, se por acaso, algum senhor da Autoridade Tributária e Aduaneira tentar «fiscalizar-me» à saída de uma loja, um café, um restaurante ou um bordel (quando forem legalizados) com o simpático objectivo de ver se eu pedi factura das despesas realizadas, lhe responderei que, com pena minha pela evidente má criação, terei de lhe pedir para ir tomar no cu».
E o ministro Miguel Relvas toma conta da ocorrência com as seguintes sábias palavras: «Respeito e respeitamos as opiniões de quaisquer ex-membros do Governo». Certo. E respeitarão a opinião de um vulgar cidadão que lhes diga o mesmo que o carroceiro Viegas(*)?

(*) Note-se que, segundo a wikipedia, se trata de um «homem religioso».