segunda-feira, 4 de março de 2013

O que o fenómeno Grillo nos ensina de positivo

Começo por dizer que não tenho qualquer simpatia por Beppe Grillo, o comediante que convidou membros do movimento neo-nazi a juntarem-se ao seu movimento, que quer acabar com os sindicatos, que tem problema a aceitar as minorias imigrantes, e cuja definição de democracia interna é "ou concordas com os meus princípios ou podes ir embora". Vejo o crescimento do seu movimento (e realmente o movimento pertence-lhe ao ponto de a página oficial estar alojada na página pessoal do comediante) como mais uma deriva populista perigosa nesta Europa sem rumo.
Contudo, este fenómeno relembra-nos sobre como a Democracia Representativa deve funcionar: os cidadãos com posições políticas semelhantes devem unir-se em grupos, formar listas e programas eleitorais, e submeter-se ao voto. É uma pena ver que muitos cidadãos estejam convencidos que existe uma "classe" política à parte, não entendendo que todos podemos "entrar" e "sair".
O aparecimento do MoVimento 5 Estrelas mostrou-nos que até* num país onde a "classe política" é das mais herméticas na Europa, onde a imprensa é das menos politicamente independentes, é possível constituir um novo partido e chegar aos 25%. 
As sondagens portuguesas mostram que os partidos de oposição não estão a captar o descontentamento dos portugueses. Faça-se Democracia.


*ou será que foi "devido a" e não "apesar de"?

2 comentários :

  1. O problema da Democracia na Europa, e da Democracia em geral, é o mesmo de sempre.

    As liberdades civis e a legitimação democrática que só o regime republicano pode satisfazer são um meio para um fim e não um fim em si mesmo. Esvazie-se o pensamento, os valores e a cultura dos povos daquilo que realmente interessa que os povos andarão à deriva para sempre. Até um dia irem cair direitos na boca do fascismo.

    O grande problema dos europeus e de todos os cidadãos do mundo livre é que, cada vez mais, nenhum deles quer verdadeiramente saber de nada muito importante. E os poucos que quererão, só têm as banalidades que lhes servem constantemente.

    E em vez de termos cidadãos, temos só pessoas. Ou pior: trabalhadore-consumidores.

    ResponderEliminar
  2. Que eu saiba, a expressão «classe política» começou justamente a ser utilizada em Itália. E deu gás a um conhecido demagogo, Umberto Bossi de seu nome. Para além de um tal de Berlusconi.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.