terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Revista de blogues (10/2/2009)

  1. «No dia 13 de Novembro de 2008 o supremo tribunal Italiano autorizou o pai de Eluana a terminar a alimentação artificial e deixar o resto da filha morrer. Mas esta decisão foi oposta pela Igreja Católica. É uma organização de princípios que não pode permitir que os desejos da paciente e os sentimentos da família se sobreponham ao poder da Igreja. No passado dia 6, o governo de Berlusconi, contra a recomendação do presidente Giorgio Napolitano, assinou um decreto proibindo que se interrompa a alimentação e hidratação artificiais a pacientes que disso dependam, quaisquer que sejam as circunstâncias. Segundo Berlusconi, a medida justifica-se porque Luana «poderia, em teoria, ter um filho»(1). A Igreja Católica pressionou o governo de um país democrático a alterar a lei só para prolongar o sofrimento absurdo de uma família e inchar o ego de alguns líderes religiosos. É o que acontece quando se esquece que a ética é respeitar as pessoas e se vai na cantiga de quem diz ter um amigo imaginário caprichoso.» (Que Treta!)
  2. «Os senhores cardeais e os senhores bispos, incluindo obviamente o papa que os governa, não andam nada tranquilos. Apesar de viverem como parasitas da sociedade civil, as contas não lhes saem. Perante o lento mas implacável afundamento desse Titanic que foi a igreja católica, o papa e os seus acólitos, saudosos do tempo em que imperavam, em criminosa cumplicidade, o trono e o altar, recorrem agora a todos os meios, incluindo o da chantagem moral, para imiscuir-se na governação dos países, em particular aqueles que, por razões históricas e sociais ainda não ousaram cortar as sujeições que persistem em atá-los à instituição vaticana. Entristece-me esse temor (religioso?) que parece paralisar o governo espanhol sempre que tem de enfrentar-se não só a enviados papais, mas também aos seus “papas” domésticos. E digo ainda mais: como pessoa, como intelectual, como cidadão, ofende-me a displicência com que o papa e a sua gente tratam o governo de Rodriguez Zapatero, esse que o povo espanhol elegeu com inteira consciência. Pelos vistos, parece que alguém terá de atirar um sapato a um desses cardeais.» (O Caderno de Saramago)

4 comentários :

Pedro, o cristao calmo disse...

No que se concerne ao nobel e à sua coerência ainda se espera que peça também desculpa por haver conscientemente apoiado e continuar a apoiar o primitivismo comunista por exemplo...

Bem, por mera casualidade até conheço quem tenha sido saneado por esse indivíduo no DN em 75 mas para o nobel deverao ser contas de outro rosário que nao valerá a pena esclarecer.

Filipe Castro disse...

O que não impede que ele tenha razão. Se percebi bem, o seu ataque dirige-se ao escritor e não ao texto que ele escreveu (e que eu, que nunca apoiei o estalinsmo, subscrevo 100%).

Julgo que para os que,como nós aqui neste blog, damos valor à democracia, ver o Vaticano insultar, desprezar e imiscuir-se no regime democrático espanhol, pede um sapatinho voador. Ou dois. :o)

Pedro, o cristao calmo disse...

Caro Felipe o que quero dizer é que se alguém na sua conduta adopta dois pesos e duas medidas dependendo das conveniências e da oprtunidade perderá a meu ver credibilidade certo?

O facto è que a recente visita do cardeal Bertone o qual foi recebido pelo presidente do governo, a vice- presidente, o ministro da justiça e negócios estrangeiros nao se revestiu de qualquer género de insultos e desprezo como assim se comprova pelas declaraçoes dos membros do psoe.
O saramago nao gostou? pois azarinho...))

Pedro, o cristao calmo disse...

Filipe, Filipe, Filipe