domingo, 17 de Fevereiro de 2013

Portugal...

Continuo a ler no facebook todos os dias textos tristes sobre Portugal, umas vezes apocalípticos, outras vezes suspirosos, outras vezes... salazaristas!  Como se a vida não fosse já suficientemente sórdida sem as evocações patrioteiras dos iletrados.  Uns culpam a Merkel, outros culpam os gangsters deste governo, outros lembram-nos que os governos anteriores não eram compostos por flores que a gente queira cheirar.

E ninguém quer falar do problema principal:  com a excepção dos salazaristas (que como sabemos tão bem, não são as lâmpadas mais luminosas do nosso arraial), os portugueses odeiam Portugal...

E eu acho que a maioria tem razão.  Somos um país imoral e injusto.  Portugal não é uma meritocracia.  As pessoas sérias, as inteligentes, ou as trabalhadoras, são humilhadas todos os dias por uma mafia que há 800 anos se apropria do produto do trabalho delas.  Com a benção e às vezes sob a direcção experiente do patriarcado.   

O resultado é, naturalmente, os portugueses não acharem que Portugal seja um projecto que apeteça apoiar e acarinhar. Ninguém vê nenhuma razão para trabalhar para o futuro dum país em que as mais valias que geram vão direitinhas para a Madeira, para a Suiça, para as Caiman Islands, etc.

E como somos miseráveis, somos invejosos: o sucesso é um crime, é o caminho mais rápido para a desgraça laboral e às vezes social.  Gostava de saber se há sondagens, mas apostava que a esmagadora maioria dos portugueses acha a mobilidade social um crime.  A sabujisse dos media, dos políticos e do clero em relação à aristocracia é um sinal chocante desta tragédia.

Sem comentários:

Enviar um comentário

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.