quinta-feira, 15 de dezembro de 2005

Citações republicanas (2): Albert Camus

«La démocratie, ce n'est pas la loi de la majorité, mais la protection de la minorité

(Albert Camus, 1913-1960; Carnets.)

12 comentários :

Anónimo disse...

Se é para proteger as minorias, para quê uma Democracia?

Marco Oliveira disse...

Luís,
Para não se tornarem uma ditadura das maiorias.

Ricardo Alves disse...

Marco, exacto!

Anónimo disse...

Assim torna-se uma ditadura das minorias. É isso?

Ricardo Alves disse...

Não, não é isso. Trata-se de assegurar, por exemplo, os direitos individuais (e.g., através da Constituição) contra as maiorias que podem querer abusar de o ser.
(Mas é claro que eu não acho que o facto de pertencer a uma minoria sociológica, por si só, conceda direitos. Não pode é subtraí-los...)

Anónimo disse...

Porque é que é uma citação republicana se fala de democracia?

A democracia é efectivamente a lei da maioria, admitindo que pretende proteger a minoria.

Pelo que sei Camus era anarquista ou estava muito próximo e isso talvez explique a consideração sobre a democracia como um "deveria ser".

Anónimo disse...

Sr. Ricardo Alves, ao dizer que por pertencer a uma «minoria sociológica, por si só», não é motivo para se obter direitos, e logo a seguir dizer que não «pode é subtraí-los»... para subtrair é preciso haver onde subtrair. Está a ver onde quero chegar?

Ricardo Alves disse...

Luis,
não estou a perceber. O que eu defendo é a igualdade de direitos, independentemente de se pertencer à maioria ou à minoria em matéria de religião, de opção política, de «raça», de sexo, de orientação sexual, etc.
A democracia é uma forma de escolher o governo, nada mais.
E Camus não era anarquista, caro anónimo. Foi comunista na juventude e durante a resistência (quando isso «doía»), e saiu logo após o final da guerra (quando isso passou a dar «facilidades»). Nos textos dos anos 50, situa-se à gauche mas nem revolucionário nem reformista, antes revoltado. O que dá livros engraçados e bastante íntegros do ponto de vista ético.

Anónimo disse...

Eu suponho então que a uma igualdade de direitos corresponde uma igualdade de deveres, certo?
Pode-me dar dois ou três exemplos concretos?

Tomas de Torquemada disse...

Horrível, um fumador...

Ricardo Alves disse...

«Eu suponho então que a uma igualdade de direitos corresponde uma igualdade de deveres, certo?»

Sim. Qual é a dúvida?

«Pode-me dar dois ou três exemplos concretos?»

Isto é para desconversar, anónimo «Luís»?

Anónimo disse...

Não. É apenas para levarmos os nossos pensamentos às últimas consequências. É que me parece que só assim podemos garantir a realidade das medidas universais que preconizamos sem cair em abstracções. Por exemplo, a igualdade é uma medida universal preconizada por muitos. Mas só sai da abstracção quando devidamente fundamentada. E é este o percurso que eu procuro percorrer numa conversa. Parece-me que se assim não fôr, acabamos por cair numa espécie de logorreia muito afim dos debates televisivos.