domingo, 21 de abril de 2013

Itália: uma colecção de absurdos

A situação política italiana dificilmente poderia ser mais absurda: Bersani ganhou as eleições e demitiu-se; Berlusconi perdeu-as e mantém-se líder (partidário); Monti teve 10% e continua Primeiro Ministro; Napolitano tem 87 anos e foi reeleito Presidente para um mandato que terminará quando tiver 94 anos; e Beppe Grillo diz que o candidato dele não ser eleito Presidente é um «golpe de Estado».

1 comentário :

  1. O maior absurdo será o palhaço que a qualquer coisa grita contra "os comunistas" a exultar com a re-eleiçäo (a 1.a vez na História de Itália) de um membro do PCI para Presidente!!!

    Podiam nomear Napolitano "Presidente Vitalício", qual Tito...

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.