quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

A caridade é ideológica

Dizem-nos que quem «faz» caridade o faz de forma desinteressada, sem segundas intenções, sem objectivos ideológicos. Será verdade em muitos casos. Não o é, decididamente, no caso da Cáritas, que recusou dinheiro obtido através de um calendário «semi-erótico». Este preconceito nas doações que recebe esta organização católica deveria ser questionado pelos jornalistas que têm sempre coisas bonitas para dizer destas organizações. E também serve para recordar que nem sempre a «ajuda» prestada pela Cáritas e outras é religiosa e ideologicamente isenta.

3 comentários :

  1. Isto nada tem de especial. Há montes de organizações não-governamentais que consideram prejudicial para a sua imagem aceitarem donativos de certas empresas. Mesmo que esses donativos até se destinem a boas obras, elas rejeitam-nos.
    Suponha por exemplo que uma empresa petrolífera oferecia dinheiro à Greenpeace para esta levar a cabo um programa de salvaçao de baleias, que faria a Greenpeace? Recusaria o donativo, obviamente, ainda que este se destinasse a uma obra meritória!
    Ou seja, a Cáritas está a fazer o mesmo que montes de outras associações fariam no lugar dela - recusar um donativo que seria prejudicial à sua imagem.

    ResponderEliminar
  2. Este tema é muito interessante.

    Por um lado, acho que nenhuma acção consciente de um cidadão é livre de ideologia: quem é voluntário não o é somente pelo fim do acto particular de voluntariado que escolheu, mas também, creio, porque o voluntariado em si é uma manifestação política. Tem uma espinha dorsal que é ideológica.

    A questão da perniciosidade associada é saber se um tipo de actividade tem "água no bico". Como a FFMS, por exemplo, que creio que não é inocente quando promove uma certa visão da sociedade ao abrigo de uma suposta análise imparcial. Posso estar enganado, mas a escolha dos autores da colecção de livros que se vê por aí à venda não me parece inocente.

    Por outro lado, a completa ausência de ideologia é tão má como o oposto hipócrita. Não vejo como manter o Estado Social sem uma forte consciência daquilo para que serve, porque foi criado no passado e porque é necessário mantê-lo. Acredito também que essa é uma das razões que está a contribuir para o seu desmantelamento.

    ResponderEliminar
  3. A missão da Caritas não é simplesmene ajudar os pobres. Segundo o site:

    «A Cáritas Portuguesa tem como missão o desenvolvimento humano e a defesa do bem comum, através da animação da Pastoral Social, intervindo em ordem à transformação social, fomentando a partilha de bens e a assistência, em situações de calamidade e emergência.»

    O problema está, parece-me, em que a maioria das pessoas confunde estas instituições de propagação de certos ideais com organizações de assistência aos desfavorecidos...

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.