domingo, 21 de dezembro de 2008

Solstício de Inverno

O solstício de inverno acontece neste exacto momento, às 12 horas e 4 minutos.

É o instante em que a ponta norte do eixo de rotação da Terra se encontra inclinada 23.44º para fora da órbita da Terra (ver o lado direito da imagem de baixo). No solstício de verão, a ponta norte do eixo de rotação da Terra encontra-se inclinada para dentro da órbita da Terra (ver o lado esquerdo da imagem de baixo).

O sinal mais evidente do solstício é a menor duração do dia no hemisfério norte (e a menor duração da noite no hemisfério sul). Outra evidência é a menor altura a que o sol «sobe», no mesmo hemisfério, relativamente à linha do horizonte (durante o seu «movimento» diário).

O dia mais curto do ano e a noite mais longa do ano marcam o início de um novo ciclo, com dias que se alongarão sucessivamente durante os próximos seis meses, até ao solstício de verão, quando o sol estará no seu máximo de altura no horizonte.

Bom ano!

10 comentários :

Anónimo disse...

Há um comentário que já quis fazer antes, e que apesar de não se relacionar com este artigo, relaciona-se com o emprego que tem sido dado ao seu título.
Sobre isso, não vejo que desejar "um bom solstício de inverno" seja um bom substituto para a saudação tradicional. Nesta altura do ano tem lugar uma tradição social e eventos aceites, que em muitos países toma o nome de "festa da família", e que, no ocidente dos nossos dias está associado a uma festa e a uma terminologia religiosas cristãs que excluem os não-cristãos. A fundamentação teológica desta festa prende-se com os fenómenos astronómicos que todos os anos sucedem e a que todas as religiões da antiguidade se ligaram.
Assim, face a isto, é apenas natural que se procure soluções para que uma tradição tão bem estabelecida, inclusivamente na economia, e que, inclui feriados e coincide com as férias de inverno de uma grande parte da população portuguesa, não seja exclusiva dos cristãos.
Porém, faço notar a quem usa essa expressão, tanto o seu carácter descontextualizado, porque o que se deseja bom é a festa e não o evento astronómico, como o facto de fortalecer o uso da terminologia religiosa, por falta de alternativas válidas.

Anónimo disse...

Correção:
Porém, faço notar a quem usa essa expressão que, o seu carácter descontextualizado, porque o que se deseja bom é a festa e não o evento astronómico, fortalece o uso da terminologia religiosa por falta de alternativas válidas.

Anónimo disse...

o seu carácter é descontextualizado

Héliocoptero disse...

Anónimo,

O solstício é uma efeméride celebravel sem necessidade de um vínculo a uma religião em particular, quanto mais não seja pelo facto de constituir o primeiro passo rumo ao calor e dias longos do Verão. Se é passível de ser celebrado, há motivo para festa. Se há festa, é justo desejar um bom solstício.

Ninguém o celebra como solstício e a imagética exclusiva é a cristã? Tudo uma questão de trabalho e de "ocupação" do espaço público - físico ou de debate - com celebrações e filosofias alternativas da mesma quadra. A chamadas "guerras do Natal" nos Estados Unidos têm passado por esforços semelhantes.

Ricardo Alves disse...

Anónimo,
não se trata de uma «substituição»: o solstício é bem real. Todas as religiões, com as suas orações, templos e guerras nada puderam fazer para alterá-lo. ;)

É evidente que o que se deseja de bom é a festa, e o ano que agora começa, com os dias novamente a alargar.

Anónimo disse...

fui totalmente mal entendido.

a) desejar "um bom solstício" é ridículo.
b) é natural que os não cristãos queiram como toda a gente fazer o que é costume nesta altura do ano, e desejá-lo às outras pessoas.
c) acho muito bem, mas esse cumprimento não é uma alternativa que se possa generalizar e nessa medida contribui para alienar outras tentativas de substituir a terminologia religiosa cristã...

Héliocoptero disse...

Não percebi porque é que "um bom solstício" é uma coisa ridícula de se desejar. É por falta de hábito ou por falta de práticas que sustentem uma celebração do acontecimento?

É natural que os não-cristãos queiram fazer o mesmo que toda a gente, mas desejar um bom solstício não os impede de o fazerem. Até porque algumas das práticas que no passado marcavam a celebração do (re)nascimento do sol continuam a ser hoje praticadas.

Também não vejo porque é que não se pode generalizar os desejos de um bom solstício. Se é porque não é generalizado, então entramos numa redundância: não se deseja porque ninguém o faz e ninguém o faz porque ninguém o deseja.

Eu desejo um bom solstício aos meus amigos e faço-o como parte das celebrações do Natal que, para sermos rigorosos, é um termo que quer dizer apenas e só "nascimento". Para os cristãos é o de Jesus, para mim é o do Sol Invicto, por isso, quando eu marco o solstício, é como alternativa ao significado cristão da data.

Zé Gato disse...

O que é o "Sol Invicto"?

Héliocoptero disse...

Invicto era o título dado ao Deus Sol na Roma antiga a partir do século III, nomeadamente de 274 em diante, depois de o imperador Aureliano ter oficialmente instituido o culto. Das datas festivas à divindade solar fazia parte o "Dies Natalis Solis Invicti" - o Dia do Nascimento do Sol Invicto - celebrado a 25 de Dezembro, por alturas do solstício de Inverno.

Anónimo disse...

Caro Ricardo Alves,

Se, por uma questão de coerencia, me parece obvio que não troca presentes no Natal,fico, contudo, com a seguinte dúvida: recebe presentes no dia do seu aniversário ou oferece presentes aqueles que lhe são mais próximos no aniversário deles?

Já reparou na patética imitação do Natal por parte de quem o faz?

Espero que tenha tido um Santo Natal.

Saludos,
A. de Anónimo