quarta-feira, 23 de julho de 2008

Uma câmara em cada esquina

Parece que o que está na moda é mesmo vigiar os cidadãos, seja escutando as conversas que têm ao telefone, seja filmando-os na rua. Agora, é Paulo Portas, esse imitador pós-moderno de Salazar, que teve esta ideia brilhante:
  • «É nossa obrigação perguntar: o que espera o Governo para ter videovigilância nos bairros sociais com maior incidência de conflitualidade e violência?» (Público)
Comecem por instalar câmaras de filmar nos bairros sociais: se resistirem às pedradas dos putos, a seguir podem instalá-las à porta dos «supermercados da droga», das casas de passe, dos bares gay, etc. O Estado tem o direito, talvez mesmo o dever, de saber o que os cidadãos fazem na rua.

E eu diria ainda mais: o que espera o Governo para instalar videovigilância em casa das pessoas, à maneira do mundo do «Big Brother» (o original, não o programa de televisão)?

A tragédia é as pessoas lerem Orwell achando que o 1984 só acontece aos outros.

7 comentários :

Oliva disse...

Aconselho a leitura deste site:

http://www.realidadeoculta.com

:)

Filipe disse...

Já não me lembro se escrevi aqui sobre isto. Há uns meses vinha na Harper's um artigo sobre empresas na China que dão casa e farmácia e centro comercial aos trabalhadores, e lentes e microfones em todo o lado, para "os proteger".

Nuno Castelo-Branco disse...

É claro que deve agradar a muito boa gente: aos saudosos do sovietismo e do sr. Hitler, aos donos e donas de casa encornados por cônjuges excitados, etc. E haverá imposto para essa "protecção", disso não haja dúvidas. É a república no seu melhor.

Ricardo Alves disse...

Não, isto é o contrário da República. É o retorno ao absolutismo, ao pidismo, etc.

Nuno Castelo-Branco disse...

É. É o regresso da Formiga Branca, das chapeladas eleitorais do Afonso Costa, do controle absoluto sobre a oposição, da pancadaria prodigalizada aos sindicatos, etc. É que a PIDE serve de desculpa para apagar o que vinha detrás e lhe deu origem. Enquanto as pessoas se recordavam da "república", a PIDE fez o seu pleno. Não vale a pena fazermos de conta que o regime de 1910 foi uma coisa boa. Não foi. Foi péssima.
Aliás, a deriva bonapartista em que os "republicanos" parecem uma vez mais estar tentados - poderes presidenciais - é que julgo ser apanágio do regime. Basta de salvadores messiânicos. Na verdade, a monarquia constitucional é a melhor das repúblicas. O Cavaco/CIP/BES com mais poder? Era só o que nos faltava!

Ricardo Alves disse...

O Nuno, se vivesse daqui a cem anos, reduziria a democracia actual às tropelias do SIS, à repressão de manifestações sindicais, às prisões de esquerdistas a seguir ao 25 de Novembro, etc?

O 5 de Outubro permitiu separar a igreja do Estado, acabar com as leis de blasfémia, retirar da clandestinidade as comunidades religiosas minoritárias, implementar o registo civil sistemático, fundar universidades, laicizar o ensino, racionalizar a gestão da administração pública, e conceder o direito à greve. Se acha que foi pouco, concordo consigo. Mas é sempre pouco.

Ricardo Alves disse...

E não tenho conhecimento de nenhuma proposta de alargamento dos poderes presidenciais.