terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

No dia do lançamento do livro de Vítor Gaspar: sobre a entrevistadora

"A propósito de bolsas: há para aí uma celeuma sem fim sobre a atitude do Estado face à ciência mas os números do Orçamento do Estado mostram que Portugal é o quarto país da Europa a investir em ciência e desenvolvimento. Que se passa?", pergunta aqui leve e frescamente a tia, sem se preocupar em confirmar se o que diz faz algum sentido (felizmente o entrevistado respondeu-lhe bem). Desta madame recordo uma entrevista que teve que ser remarcada (ou pelo menos a sessão fotográfica), e ela protestou porque tinha ido ao cabeleireiro de propósito. O mais engraçado nesta gente é que os preconceitos e as ideias feitas que escrevem são a única coisa que se ouve no meio que frequentam, que por sua vez é o único que conhecem. Como tal eles acham-se mesmo genuinamente imparciais. O grau de autismo chega a este ponto. Há quem a ache uma boa entrevistadora. Quanto ao título da entrevista: o Salazar também achava (genuinamente) que o país não resistia ao pingue-pongue da democracia.

Sem comentários :

Enviar um comentário

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.