quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Reprimir a política, proteger o futebol

Uma cidadã que buzinou no Marquês de Pombal às 22h30m (sim, a rotunda de Lisboa em que ninguém vive, tirando alguns sem abrigo) foi multada. A razão? Não se entende. Há adeptos de um popular jogo de bola que fazem mais barulho a horas mais tardias no mesmo local, sem que haja notícia de coimas. E celebram-se ali vitórias políticas. Será porque a cidadã pretendia protestar contra o governo em funções, e não consumir a «cocaína do povo»? Fica a suspeita de que sim.

3 comentários :

  1. Não me parece demasiado estranho. É sabido que há exceções pontuais a lei. Por exemplo, as procissões que interrompem a via pública. Ou as festas noturnas no jardim de São Pedro de Alcântara, que emitem ruído que se ouve a um quilómetro de distância. As manifestações, as corridas, e muitas outras atividades que também interrompem a via pública. As festas populares à noite no mês de junho, que também fazem uma barulheira.
    Neste quadro, uma manifestação noturna, mesmo que não programada nem autorizada, numa praça pública, é uma exceção à lei entre tantas outras.
    Bem piores são, por exemplo, as festas organizadas pela Junta de Freguesia num jardim público perto de minha casa durante todo o mês de junho. Instalam aparelhagens sonoras que colocam tudo a tremer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todas essas actividades que o Luís Lavoura mencionou, que eu saiba, não são multadas.

      Eliminar
    2. Exatamente, não são.
      Ou seja, há uma lei (não é permitido fazer barulho à noite) que é em geral aplicada. Mas a lei admite exceções (festas populares, manifestações espontâneas de regozijo pela vitória de um clube, etc).

      Eliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.