sexta-feira, 14 de junho de 2013

O Ceausescu de Campanhã (um texto que não cheguei a escrever)

Henrique Pousão, "Casa rústica em Campanhã", MNSR

O texto seria a propósito deste outro, no Jugular, e da leviandade com que nele se sugeria que uma povoação de 15 000 pessoas "não deveria existir": deveria estar integrada numa grande cidade como Coimbra. A fazer lembrar os realojamentos em massa promovidos na Roménia de Ceausescu.
Na altura desloquei-me ao Museu Soares dos Reis, no Porto, e fotografei a pintura de Henrique Pousão na figura, testemunho das origens do João, autor do texto do Jugular em questão e de muitos outros. A minha ideia seria ilustrar que tal proposta não vinha da cabeça de um lisboeta. (Pela blogosfera choveram respostas ao texto do João com a acusação fácil de que o autor era "de Lisboa". Nada mais injusto para o João, natural de Campanhã e adepto do FC Porto. E já agora nada mais injusto para os lisboetas.)
Na altura não tive tempo de escrever a resposta ao João, e como acontece tantas vezes na blogosfera, o assunto saiu da ordem do dia. Mas desde então o João passou a ser, para mim, carinhosamente (acreditem: carinhosamente), o "Ceausescu de Campanhã".
Não sei se o João acharia grande piada à alcunha. Escrevi no mesmo blogue que ele (o "Cinco Dias", na altura uma deliciosa manta de retalhos) durante quase um ano. O João saiu na altura da cisão que deu origem ao Jugular, e pouco depois saí eu. Tenho o prazer de conhecer e ser amigo de uma grande parte dos autores do Jugular, e sempre achei que chegaria o dia em que conheceria o João. Em que lhe diria que para mim, desde aquele texto sobre os "fanáticos da ruralidade", ele era o "Ceausescu de Campanha". Tinha a esperança de que talvez ele achasse graça. De que talvez até ficássemos amigos. Mas não pude fazer nada disto, e infelizmente não poderei mais fazê-lo, uma vez que o João faleceu hoje. Tenho pena de não o ter feito, mas tenho ainda mais pena de não poder continuar a lê-lo.

Sem comentários :

Enviar um comentário

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.