segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Fidel Castro (1926-2016)

No desaparecimento de Fidel Castro, julgo relevante recordar um texto escrito aqui quando estive em Cuba, há quatro anos. A Fidel Castro não perdoo não ter garantido as liberdades fundamentais dos cidadãos cubanos, as prisões, torturas e mesmo a morte de opositores. Tal repressão é inaceitável em qualquer circunstância, e tanto mais injustificável quanto sempre pareceu à generalidade dos observadores (e a mim também, quando lá estive) que a maioria dos cubanos apoiava a revolução. Também não gostei do culto de personalidade que vi em Cuba. 
Dito isto, Cuba deve ser comparada com os seus vizinhos, países do Terceiro Mundo. Comparado com eles, é um país bem menos miserável e com muito melhores índices socioeconómicos, na educação e na saúde. É uma sociedade bem mais igualitária, embora a pobreza seja generalizada (mas disso o governo não será o principal culpado, e os países à volta também são pobres). Acresce que a Revolução Cubana foi um exemplo para as lutas de muitos outros povos no mundo, que Cuba apoiou. Por tudo isto, eu continuo com o povo cubano. Hasta la victoria!