sexta-feira, 28 de Abril de 2006

A vida privada não se utiliza em política

«"O nosso grupo parlamentar é muito sensível a esse tema. Um grupo tão pequeno, apenas 12 deputados, teve três filhos no último mês. Não só pregamos como somos os primeiros a dar o exemplo", sublinhou Pires de Lima.» (Público)
Caros deputados conservadores,
não se explora a vida privada para fins políticos. Nem devassa dos outros, nem exibicionismos próprios. Ao exibir esses (felizes...) sucessos privados em pleno discurso parlamentar (e como argumento político!), estais a legitimar a devassa sobre os aspectos mais privados das vossas vidas...

Sam Harris: «The Myth of Secular Moral Chaos»

«One cannot criticize religious dogmatism for long without encountering the following claim, advanced as though it were a self-evident fact of nature: there is no secular basis for morality. Raping and killing children can only really be wrong, the thinking goes, if there is a God who says it is.
(...)
It is simply amazing how widespread this fear of secular moral chaos is, given how many misconceptions about morality and human nature are required to set it whirling in a person’s brain. There is undoubtedly much to be said against the spurious linkage between faith and morality, but the following three points should suffice.
1. If a book like the Bible were the only reliable blueprint for human decency that we had, it would be impossible (both practically and logically) to criticize it in moral terms. But it is extraordinarily easy to criticize the morality one finds in the Bible, as most of it is simply odious and incompatible with a civil society.
The notion that the Bible is a perfect guide to morality is really quite amazing, given the contents of the book. Human sacrifice, genocide, slaveholding, and misogyny are consistently celebrated.
(...)
Most Christians imagine that Jesus did away with all this barbarism and delivered a doctrine of pure love and toleration. He didn’t.
(...)
2. If religion were necessary for morality, there should be some evidence that atheists are less moral than believers.
(...)
While it is true that the regimes of Hitler, Stalin, Mao, and Pol Pot were irreligious to varying degrees, they were not especially rational. In fact, their public pronouncements were little more than litanies of delusion —delusions about race, economics, national identity, the march of history, or the moral dangers of intellectualism.
(...)
Needless to say, a rational argument against religious faith is not an argument for the blind embrace of atheism as a dogma. (...) According to the United Nations’ Human Development Report (2005), the most atheistic societies—countries like Norway, Iceland, Australia, Canada, Sweden, Switzerland, Belgium, Japan, the Netherlands, Denmark, and the United Kingdom—are actually the healthiest, as indicated by measures of life expectancy, adult literacy, per-capita income, educational attainment, gender equality, homicide rate, and infant mortality. Conversely, the fifty nations now ranked lowest by the UN in terms of human development are unwaveringly religious.
(...)
3. If religion really provided the only conceivable objective basis for morality, it should be impossible to posit a nontheistic objective basis for morality. But it is not impossible; it is rather easy.
(...)
If there are objectively better and worse ways to live so as to maximize happiness in this world, these would be objective moral truths worth knowing. Whether we will ever be in a position to discover these truths and agree about them cannot be known in advance (and this is the case for all questions of scientific fact).
(...)
Incompatible religious doctrines have balkanized our world into separate moral communities, and these divisions have become a continuous source of human conflict. The idea that there is a necessary link between religious faith and morality is one of the principal myths keeping religion in good standing among otherwise reasonable men and women. (...)»

(Sam Harris na última Free Inquiry; ler na íntegra.)

quarta-feira, 26 de Abril de 2006

25 de Abril: e depois dos cravos?

The image “http://rainsong.weblog.com.pt/fotos/carnation_small.JPG” cannot be displayed, because it contains errors.
O discurso tentou tanto ser abrangente que transformou a falta do cravo numa teimosia reacionarosa.
O que virá a seguir?

sábado, 22 de Abril de 2006

A imunidade do anonimato

Anda pela blogo-esfera alguma agitação causada pelo artigo de Pacheco Pereira (JPP) no Público de quinta-feira. Sumariamente, o que penso é que JPP (desta vez...) tem razão no essencial; e que poucos o reconhecem devido à presunção característica do personagem.

JPP tem razão no essencial porque o fenómeno dos anónimos que escrevem nas caixas de comentários tem efectivamente aspectos nojentos(*). Há que recordá-lo sem pudores: nas caixas de comentários do Diário Ateísta, já aturámos ameaças de agressão física e insinuações sexuais, insultos em calão e pseudo-revelações sobre a vida privada dos que lá escrevem. Sempre de forma «corajosamente» anónima, e tudo porque somos ateus e não temos vergonha de daí tirarmos consequências.

Aliás, JPP é até muito meigo com os anónimos anónimos. O fenómeno, ao contrário do que o autor do Abrupto afirma, é específico da internete. Ninguém se atreveria a agredir-me na rua por eu escrever que a «Virgem de Fátima» é uma estória da treta, e nenhum dono de um café permitiria os insultos violentos que semanalmente se lêem em alguns blogues. Mas fazem-no nas caixas de comentários por uma razão óbvia: o anonimato protege e desresponsabiliza. Permite que quem anda direitinho e lavadinho no dia-a-dia se descomprima e solte a lama que lhe corre dentro nas caixas de comentários. Sem nome e sem responsabilidade...

(*) É evidente que há anónimos que não se aproveitam de estarem incógnitos para insultarem e ameaçarem. Mas não é desses que aqui me ocupo.

sexta-feira, 21 de Abril de 2006

Revista de blogues (21/4/2006)

  1. «Das Kapital - Volume V - as relações de produção na blogosfera », no Vento Sueste: «O proletariado da blogosfera é composto pelos trabalhadores que, não possuindo os meios de produção (blogue próprio), vendem a sua força de trabalho a outrém (ou seja, à burguesia). Como isto se processa: o proletário escreve textos, tira fotografias, faz desenhos, etc. e envia-os para um blogue. O proprietário capitalista, usando o seu poder sobre os meios de produção e, portanto, sobre o trabaho alheio, escolhe-os e faz o essencial do seu blog a partir deles».
  2. «A Europa dela», no avatares de um desejo: «Achará talvez a Dra. Fátima Bonifácio que eu lhe deveria pedir desculpa por contribuir para a incómoda descaracterização do seu modelo rácico de Europa com a minha presença neste solo? (...) Curioso, mas afinal sempre há argumentários que me animam à paternidade. Dra. Fátima Bonifácio, se me está a ler, devo parabenizá-la pois que alvoroçou em mim uma insólita vontade de contribuir, com generosa prole, para uma Europa crioula».
  3. «Semana Santa», no A Natureza do Mal II: «A teoria da decadência da Europa resume-se mais ou menos assim: a Europa perdeu a identidade, os valores identitários. Vista de fora, pelo Islamismo, pelos pagãos, é um mundo risível, uma espécie de Sodoma gerida por políticos que não têm coragem de pôr o Cristianismo na Constituição e proíbem os símbolos religiosos ( - A mim, se me tirassem este crucifixo, era capaz de me tornar num terrorista- ameaçou um jovem da assistência».
  4. «Prós e Contras» no Fuga para a vitória: «[aceitam-se] sugestões para temas e painéis de próximos programas. Porque não por exemplo «Os três grandes do futebol português», com Pôncio Monteiro, Miguel Sousa Tavares, Pinto da Costa e Carlos Calheiros como convidados? Ou então «A esquerda em Portugal», com Rui Ramos, Luís Delgado, Pacheco Pereira e Paulo Portas no painel? Ó Fatinha, pensa nisto filha».

quinta-feira, 20 de Abril de 2006

95 anos de Separação da Igreja do Estado

O Governo Provisório da República faz saber que em nome da República se decretou, para valer como lei, o seguinte:

Capítulo I

Da liberdade de consciência e de cultos

Artigo 1º

A República reconhece e garante a plena liberdade de consciência a todos os cidadãos portugueses e ainda aos estrangeiros que habitarem o território português.

Artigo 2º

A partir da publicação do presente decreto, com força de lei, a religião católica apostólica romana deixa de ser a religião do Estado e todas as igrejas ou confissões religiosas são igualmente autorizadas, como legítimas agremiações particulares, desde que não ofendam a moral pública nem os princípios do direito político português.

Artigo 3º

Dentro do território da República ninguém pode ser perseguido por motivos de religião, nem perguntado por autoridade alguma acerca da religião que professa.

Artigo 4º

A República não reconhece, não sustenta, nem subsidia culto algum; e por isso, a partir do dia 1 de Julho próximo futuro, serão suprimidas nos orçamentos do estado, dos corpos administrativos locais e de quaisquer estabelecimentos públicos todas as despesas relativas ao exercício dos cultos.

(...)

(Assinalam-se hoje 95 anos sobre a Lei da Separação da Igreja do Estado; agradeço ao Cozido à Portuguesa ter-mo recordado.)

Cafés Unidos da Europa

A última página do Público informa-nos de que a presidência austríaca da UE decidiu celebrar o Dia da Europa em cafés selecionados, com adequada distribuição de doçaria e propaganda europatriótica.
A cultura de café, dialogante e ociosa, é muito melhor escolha do que o cristianismo para «cultura unificante» da Europa. Mas deixa de fora, no mínimo, a península semi-árctica e as ilhas adjacentes à França e à Bélgica.
A Europa do café e a Europa do pub: uma fronteira civilizacional?

Os números

Há hoje menos judeus em Portugal (cerca de dois mil) do que os que terão sido mortos em Lisboa em 1506 (três ou quatro mil).

segunda-feira, 17 de Abril de 2006

Polly Toynbee: «This is a clash of civilisations - between reason and superstition»

«The DJ wasn't joking when he burbled: "Happy Good Friday!" His audience probably didn't wince, since a recent poll showed that 43% of the population have no idea what Easter celebrates, with the young most clueless. Eggs, bunnies, lambs?
(...)
But how odd that in this heathen nation of empty pews, where churches' bare, ruined choirs are converted into luxury loft living, a Labour government - yes, a Labour government - is deliberately creating a huge expansion of faith schools. There is all the difference in the world between teaching children about religion and handing them over to be taught by the religious. Just when faith turns hot and dangerous, threatening life and limb again, the government responds by encouraging more of it and more religious segregation. If ever there was a time to set out the unequivocal value of a secular state, it must be now.
(...)
This is indeed a clash of civilisations, not between Islam and Christendom but between reason and superstition.
(...)
But instead of standing up for reason, our government is handing education over to the world of faith. It's the same government that went to war in Iraq to install the likes of Grand Ayatollah Ali al-Sistani into positions of great power. The man George Bush and Tony Blair see as the best hope for promoting stability and "freedom" in Iraq has just issued a fatwa calling for the killing of all sodomites and lesbians.
(...)
Remember this: over a third of all state schools are now run by religions. Most are Christian, with some Jewish, Sikh and of other faiths. Under Labour the Church of England is rolling out 100 new secondary schools; half are open already. In Labour's flagship academy programme, 42 of the first 100 belong to Christian sponsors - at least five of them to evangelical creationists. Since Labour came to power six new Muslim state schools have been created; there are another 150 in the pipeline, according to the National Secular Society.
(...)
Understandably, parents dash for schools where the better-off congregate, but few value religious schools for their own sake. In Northern Ireland, where most schools are breeding grounds for religious sectarianism, the few nondenominational schools are hugely oversubscribed - but sectarian politicians prevent more opening for fear of losing their tribes. The Young Foundation's study The New East End warns that in Tower Hamlets white parents fleeing Bangladeshis have taken over four church secondary schools in which Bangladeshis make up only 3% of the pupils, while they form 90% of pupils in the next-door secular schools. Religion usually means class, race or tribe segregation.
(...)»
(Polly Toynbee no The Guardian; ler na íntegra.)

quinta-feira, 13 de Abril de 2006

Amartya Sen: «What clash of civilizations?»

«That some barbed cartoons of the Prophet Mohammed could generate turmoil in so many countries tells us some rather important things about the contemporary world.
(...)
What we ought to take very seriously is the way Islamic identity, in this sort of depiction, is assumed to drown, if only implicitly, all other affiliations, priorities, and pursuits that a Muslim person may have. A person belongs to many different groups, of which a religious affiliation is only one. To see, for example, a mathematician who happens to be a Muslim by religion mainly in terms of Islamic identity would be to hide more than it reveals.
(...)
The increasing tendency to overlook the many identities that any human being has and to try to classify individuals according to a single allegedly pre-eminent religious identity is an intellectual confusion that can animate dangerous divisiveness. An Islamist instigator of violence against infidels may want Muslims to forget that they have any identity other than being Islamic. What is surprising is that those who would like to quell that violence promote, in effect, the same intellectual disorientation by seeing Muslims primarily as members of an Islamic world. The world is made much more incendiary by the advocacy and popularity of single-dimensional categorization of human beings, which combines haziness of vision with increased scope for the exploitation of that haze by the champions of violence.
A remarkable use of imagined singularity can be found in Samuel Huntington's influential 1998 book The Clash of Civilizations and the Remaking of the World Order. The difficulty with Huntington's approach begins with his system of unique categorization, well before the issue of a clash—or not—is even raised. Indeed, the thesis of a civilizational clash is conceptually parasitic on the commanding power of a unique categorization along so-called civilizational lines, which closely follow religious divisions to which singular attention is paid. Huntington contrasts Western civilization with "Islamic civilization," "Hindu civilization," "Buddhist civilization," and so on. The alleged confrontations of religious differences are incorporated into a sharply carpentered vision of hardened divisiveness.
(...)
The difficulty with the clash of civilizations thesis begins with the presumption of the unique relevance of a singular classification. Indeed, the question "Do civilizations clash?" is founded on the presumption that humanity can be pre-eminently classified into distinct and discrete civilizations, and that the relations between different human beings can somehow be seen, without serious loss of understanding, in terms of relations between different civilizations.
(...)
To focus just on the grand religious classification is not only to miss other significant concerns and ideas that move people. It also has the effect of generally magnifying the voice of religious authority. The Muslim clerics, for example, are then treated as the ex officio spokesmen for the so-called Islamic world, even though a great many people who happen to be Muslim by religion have profound differences with what is proposed by one mullah or another. Despite our diverse diversities, the world is suddenly seen not as a collection of people, but as a federation of religions and civilizations. In Britain, a confounded view of what a multiethnic society must do has led to encouraging the development of state-financed Muslim schools, Hindu schools, Sikh schools, etc., to supplement pre-existing state-supported Christian schools. Under this system, young children are placed in the domain of singular affiliations well before they have the ability to reason about different systems of identification that may compete for their attention. Earlier on, state-run denominational schools in Northern Ireland had fed the political distancing of Catholics and Protestants along one line of divisive categorization assigned at infancy. Now the same predetermination of "discovered" identities is now being allowed and, in effect encouraged, to sow even more alienation among a different part of the British population.
(...)
Perhaps the worst impairment comes from the neglect—and denial—of the roles of reasoning and choice, which follow from the recognition of our plural identities
(Amartya Sen na Slate; ler na íntegra. Adaptado do livro Identity and Violence: The Illusion of Destiny.)

quarta-feira, 12 de Abril de 2006

Sendo assim, há muitos pais negligentes...

«Qual é o bom pai de família que, por uma ou duas vezes, não dá palmadas no rabo dum filho que se recusa ir para a escola, que não dá uma bofetada a um filho (...) ou que não manda um filho de castigo para o quarto quando ele não quer comer? Quanto às duas primeiras, pode-se mesmo dizer que a abstenção do educador constituiria, ela sim, um negligenciar educativo.»
Este belo naco de prosa não foi produzido por um padre de aldeia nem por um dos Césares das Neves que pululam nos jornais. Veio directamente de uma das instituições cimeiras do Estado: o Supremo Tribunal de Justiça. Quem não acredita que leia a notícia no Público ou no Diário Digital.
Não é todos os dias que um Supremo Tribunal nos diz que quem não bate nos filhos é um pai negligente...
Adenda: o acórdão (descoberto no Blasfémias).

terça-feira, 11 de Abril de 2006

Cependant, en France...

Civilizacionistas pseudo-laicos contra clericais

A emissão de ontem do programa popularmente conhecido como «Prós e Prós» foi menos desequilibrada do que eu esperava. Fátima Bonifácio e António Barreto (duas escolhas surpreendentes para representar a perspectiva laica...) estiveram razoavelmente bem, embora Bonifácio seja mais conservadora do que a generalidade dos laicistas quanto ao casamento entre homossexuais, e Barreto tenha evitado deliberadamente discutir a interrupção voluntária de gravidez. Quanto ao público, é francamente escandaloso que tenha sido escolhida «uma chusma de "Morangos com Açúcar", a tresandar a colégio com nome de santo» para servir de claque ao Talibã das Neves, e que não tenham sido convidados ateus e agnósticos para o público, ao contrário do que acontecera em ocasiões anteriores.

Nestas condições, o cardeal Saraiva conseguiu difundir a mentira habitual segundo a qual o tratado constitucional europeu «ofendeu» de alguma forma os católicos por o Preâmbulo não conter uma referência ao cristianismo, sem que nenhum dos «laicos» lhe recordasse que a ICAR, ao garantir um direito de consulta institucional através do artigo I-52º, conseguiu uma vitória tal que em França os bispos até apelaram ao «sim» no referendo, e que em Portugal Policarpo se preparava para fazer o mesmo.

Saraiva foi também espalhando números fantasiosos sobre os muçulmanos residentes na Europa (os 35 milhões que referiu são um exagero enorme, mesmo contando com os habitantes de Istambul) e apelando implicitamente a uma «Cruzada» contra o Islão, a única religião que segundo os participantes do programa de ontem tem «fundamentalistas». Aliás, Bonifácio convergiu com Saraiva na preocupação quanto à destruição da «identidade cultural» europeia, o que é paradoxal quando se considera que Fátima Bonifácio foi impecável na defesa da liberdade individual como fundamento da nossa polis (e assim encostou César das Neves à parede de forma exemplar), liberdade individual essa que, cara senhora, acarreta o direito de abandonar a «identidade cultural» e de não ser oprimido por esta. Implica o direito de ter filhos quando se quer ou mesmo de não os ter, mas também pode resultar numa Europa que não seja branca nem cristã, o que não compreendo que a incomode se defende efectivamente a herança iluminista.
César das Neves atreveu-se a dizer que os conflitos religiosos em Portugal foram curtos, sem que ninguém lhe tivesse recordado que cristãos e muçulmanos estiveram em guerra no nosso território de 711 a 1249; que em 1496 os judeus foram convertidos à força e em 1506 massacrados no pogrom de Lisboa; que a Inquisição se estabeleceu em 1536 e durou até 1821; que em 1846 ainda se perseguiram protestantes na Madeira; e que as minorias religiosas só começaram a sair da clandestinidade em 1911, com a República.
Rendo no entanto a minha homenagem a César das Neves, que tentou explicar que a verdadeira clivagem se nota nas questões de família, e é entre laicistas e clericais (sendo estes muçulmanos ou católicos), ao contrário do que pensam Bonifácio e Barreto, que me pareceram excessivamente obcecados com a sua «guerra civilizacional». E quero destacar a intervenção de um jovem católico que se mostrou pronto para ser terrorista (e consequentemente matar milhares de pessoas) se o proibissem de usar um penduricalho que trazia ao peito. Esse jovem mostrou a quem quiser ver qual é raiz de acontecimentos como o 11 de Setembro: a imunidade ética que a religião confere aos crentes.
(Publicado simultaneamente no Diário Ateísta.)

segunda-feira, 10 de Abril de 2006

Serviço público?

Hoje à noite, no RTP 1, o programa popularmente conhecido como «Prós e Prós» vai debater «O choque das religiões/Do islão ao ocidente/A decadência dos valores/A essência da Europa». Os «artistas convidados» serão um cardeal da ICAR (o Saraiva), um talibã católico (o inefável César das Neves) e dois neoconservadores (António Barreto e Fátima Bonifácio).
Ocorrem-me dois comentários. Primeiro: os cardeais só vão à RTP bem protegidos por fiéis (aquando do programa de propaganda ao Congresso Internacional para a Nova Evangelização, Policarpo fez-se acompanhar pelos católicos leigos António Pinto Leite e Maria José Nogueira Pinto...). Segundo: face a painéis destes na televisão pública, só quem sofre do mais puro facciosismo poderá acreditar honestamente no mito do «domínio mediático da esquerda».

domingo, 9 de Abril de 2006

Revista de blogues (9/4/2006)

  1. «Serão as condições-fronteira e as restrições blasfemas?», n´o Avesso do Avesso: «A escolha de constrangimentos e de condições fronteira na economia corresponde ao que em linguagem corriqueira se chama "política" (para não dizer "ideologia"). A solução dele (que se traduz na total ausência de "política") não é a única e nem resulta de nenhuma previsão da "teoria económica", como ele quer fazer crer.»
  2. «Aviso aos navegantes», no Armadilha para ursos conformistas: «Quando há um ano, os cardeais escolheram um pastor alemão para cão-guia da Igreja Católica, eu percebi que estava a mais. Não pela escolha em si mesma, mas pela forma acrítica e entusiastica com que a escolha foi acolhida por grande número de católicos.»
  3. «A ICAR e o desenvolvimento», no Oeste Bravio: «Não sei se já escrevi aqui que um dos meus tetravós, presbiteriano, teve de fugir da Madeira onde a Igreja Católica organizou um pogrom em 1846, através dum jornal chamado “O Imparcial”. Queimaram-se casas, prenderam-se pessoas, uma senhora foi condenada à morte por apostasia, etc.».

quinta-feira, 6 de Abril de 2006

Revista de blogues (6/4/2006)

  1. «A Intolerância Cor-de-rosa» no Random Precision: «Fui ontem convidado para participar num debate no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, subordinado ao tema do casamento entre pessoas do mesmo sexo (...) Poderia a discussão ter sido (...) mais interessante e esclarecedora, não fora uma outra interveniente ter declinado o convite por se recusar terminantemente a participar num debate... em que eu estivesse. Trata-se de uma deputada, eleita pelo Partido Socialista».
  2. «Neoliberalismo de esquerda no governo socialista», no Armadilha para ursos conformistas: «No dia 3-04-06, um senhor que se chama José conde Rodrigues, secretário de estado adjunto e da justiça, licenciado em direito e, acrescento eu, em neo-liberalismo oferece uma entrevista ao DN onde exclama várias coisas».
  3. «Portas - um erro histórico», no Ponte Europa: «Não se pode exigir a Paulo Portas o discernimento que lhe faltou no entusiasmo com que apoiou a invasão do Iraque; a sensatez que não teve ao atribuir à senhora de Fátima a decisão de afastar de Portugal a maré negra do naufrágio do Préstige (...) Para Portas, talvez a Constituição autoritária de 1933 tivesse colocado Portugal na vanguarda dos mais civilizados países da Europa».

terça-feira, 4 de Abril de 2006

As democracias também torturam

Archive pictures of German prisoners held by the British following the second world war
Comunistas alemães torturados pela democracia britânica (1946).
O jornal britânico The Guardian publicou ontem um relatório sobre a tortura de cidadãos alemães suspeitos de serem comunistas. Os factos tiveram lugar em centros de detenção britânicos na Alemanha e em Londres, entre 1945 e 1948. O «tratamento» incluía a tortura do sono, a privação de alimentos, a exposição ao frio e as agressões físicas. Pelo menos dois comunistas morreram de fome e outro foi espancado até à morte, tendo estado detidos, no total, 372 homens e 44 mulheres. Eram civis, e geralmente foram detidos na zona alemã sob controlo britânico. O único oficial britânico castigado foi demitido do exército e convidado a juntar-se ao MI5.
Por muito que nos custe aceitá-lo, não há povos impecavelmente civilizados, nem sistemas políticos que possam garantir a protecção de todos os indivíduos sob a sua jurisdição contra a violência de Estado. A democracia britânica foi responsável pelas mortes de católicos em Belfast, nomeadamente no Domingo Sangrento de 1972, sem que um único soldado tivesse sido punido. A República francesa sujara as mãos de sangue em 17 de Outubro de 1961, quando muitas dezenas de argelinos foram massacrados nas ruas de Paris. Já nos anos 80, a democracia espanhola demorou a reagir aos assassinatos selectivos de militantes da ETA, uma estória que ainda hoje não é totalmente clara. No século 21, temos Guantánamo e Abu Ghraib para nos recordar a barbárie de que somos capazes, e que os Estados de Direito não querem ou não conseguem impedir.
Embora a natureza humana não esteja, como é evidente, prestes a alterar-se, há que reconhecer que a vergonha do Governo do Reino Unido perante este caso dos primórdios da Guerra Fria acalenta a esperança de que a única mudança possível esteja a acontecer, ainda que lentamente: o respeito público pela dignidade humana estende-se agora a cada vez mais grupos raciais e ideológicos, mesmo quando em privado se continua a torturar.

Opus Dei

O blogue Geosapiens tem um artigo muito interessante sobre o Opus Dei, onde se explora o papel desta organização católica na recomposição das elites reacionárias da América Latina. O interesse pela «Santa Máfia» aumentou na medida em que esta seita se prepara para lançar um candidato à presidência do Brasil, o Governador de São Paulo Geraldo Alckmin.
Felizmente, existem cada vez mais saites de denúncia da Obra fundada por Josemaria Escrivá: Opus Dei Awareness Network (a associação de apoio às vítimas do OD), Opus Libros (em Castelhano) e, em Português do Brasil, Opus Livre. Os depoimentos dos ex-membros são particularmente importantes para compreender o funcionamento interno desta organização autoritária e totalitária, onde tudo é controlado, desde a vida sexual e os livros que se lêem, até às relações sociais que se estabelecem.
Como aperitivo, leia-se o trecho seguinte, sobre o autor do livro «Memórias sexuais no Opus Dei»:
  • «Antonio Carlos Brolezzi, 41 anos, de Santo André, viveu dez anos como numerário do Opus Dei (...) No período passado lá, ele afirma ter se mortificado por pensar em sexo - o celibato é exigido para os numerários e numerárias -, ter feito uso, como todos os integrantes devem fazer, do cilício (uma coleira com pinos de metal colocada na perna duas horas por dia), da disciplina (autoflagelação com chicote de nós, uma vez por semana, ou mais) e de ter de vestir para dormir, por poucos dias, um macacão antimasturbação. "Eles nos seduzem e fazem acreditar que aquele mundo é maravilhoso e que nossa vocação é virar santo. Com isso, tiram tudo da gente: o salário, a família, a alma". (...) "Se quiser entrar para a seita, pois considero o Opus Dei uma seita, pelo seu fanatismo, que entre sabendo o que acontece lá. É meu dever como educador".»
  • «Deixei absolutamente tudo. (...) Eles ficam com tudo. No final, você é um nada, está completamente destruído. Mas isso tudo é feito devagar, sem que a pessoa e a família percebam. (...) Tem de se confessar com o sacerdote e com o diretor do centro (...) o diretor pode fazer você usar mais as disciplinas, mais dias por semana e não apenas um, como o exigido. Eu usava quase todos os dias.
    DIÁRIO - Como assim, entregar salário para eles?
    BROLEZZI -
    (...) sequer recebia o salário. Minhas contas bancárias, senhas, cartões eram administrados diretamente pelos diretores do centro.
    DIÁRIO - O sr. nunca pôde comprar uma roupa que você quisesse?
    BROLEZZI - Nunca. Toda vez que o numerário quer comprar uma cueca, por exemplo, tem de ir acompanhado de um outro numerário, que vai pagar com o dinheiro que o secretário do centro libera para compra de cuecas

sábado, 1 de Abril de 2006

«Elezioni e laicità» (Comunicado da UAAR)

«I cittadini e le cittadine italiane saranno chiamate a esprimere il proprio voto il 9 e 10 aprile prossimi. L’UAAR ha esaminato i programmi delle forze politiche che si sono candidate a dirigere il Paese, ne ha estrapolato i passaggi significativi da un punto di vista laico (o confessionale) e li pubblica ora in questa sezione.

(...)

La nostra è un’associazione apartitica e ritiene che i navigatori del suo sito, e più in generale gli atei e gli agnostici italiani, siano persone perfettamente in grado di decidere da sole cosa votare, senza alcuna indicazione di voto. Ovviamente, l’UAAR ritiene che un voto consapevole debba tenere in debito conto le tematiche legate alla laicità delle istituzioni. Ma è comunque ben conscia che un voto “razionale” debba prendere in considerazione anche altri argomenti. Proprio per questo motivo fornisce anche i link che permetteranno a tutti coloro che lo desiderano di approfondire i programmi di coalizioni e partiti direttamente sui loro siti.

(...)


LA CASA DELLE LIBERTÀ
(direita)

(...)

In sintesi: la difesa dei valori religiosi e dei principi morali, la difesa della famiglia e delle nostre radici [sono] il centro strategico del disegno della CDL tanto sul lato politico quanto sul lato economico, tanto in Italia quanto in Europa.

Nel capitolo 5, Cosa faremo in futuro, al primo punto del programma è collocata la famiglia, da intendersi come: comunità naturale fondata sul matrimonio tra uomo e donna, che si promette sarà il centro privilegiato del rapporto fiscale basato sul criterio del quoziente familiare (pag. 11).

È inoltre promesso il sostegno alle famiglie per un'effettiva libertà di scelta educativa tra scuola pubblica e scuola privata (pag. 11), cioè altri finanziamenti alla scuola privata confessionale, posta - nonostante il divieto costituzionale - sullo stesso piano di quella pubblica.


(...)


L’UNIONE (esquerda)
Pagina 9. Noi affermiamo la laicità dello Stato.

11. Modificheremo il quorum previsto dall’art. 138 della Costituzione elevando la maggioranza necessaria per l’approvazione, in seconda lettura, di leggi di revisione costituzionale [ciò potrebbe compromettere definitivamente l’abolizione dell’art. 7 (Patti lateranensi)].

(...)

72. L’Unione proporrà il riconoscimento giuridico di diritti, prerogative e facoltà alle persone che fanno parte delle unioni di fatto. Al fine di definire natura e qualità di un’unione di fatto, non è dirimente il genere dei conviventi né il loro orientamento sessuale.

(...)

227. È infatti nella scuola che si forma la cittadinanza. Qui tutti crescono insieme, qui si costruisce la Repubblica, qui si gettano le fondamenta di un’etica pubblica laica e condivisa, rispettosa delle scelte, delle fedi, delle convinzioni di ognuna e ognuno.

228. Porremo il dialogo interculturale e interreligioso come obiettivo fondamentale del sistema dell’istruzione.

(...)»

(A documentação da Unione degli Atei e degli Agnostici Razionalisti sobre os programas eleitorais dos partidos italianos pode ser lida na íntegra aqui.)