terça-feira, 4 de abril de 2006

Opus Dei

O blogue Geosapiens tem um artigo muito interessante sobre o Opus Dei, onde se explora o papel desta organização católica na recomposição das elites reacionárias da América Latina. O interesse pela «Santa Máfia» aumentou na medida em que esta seita se prepara para lançar um candidato à presidência do Brasil, o Governador de São Paulo Geraldo Alckmin.
Felizmente, existem cada vez mais saites de denúncia da Obra fundada por Josemaria Escrivá: Opus Dei Awareness Network (a associação de apoio às vítimas do OD), Opus Libros (em Castelhano) e, em Português do Brasil, Opus Livre. Os depoimentos dos ex-membros são particularmente importantes para compreender o funcionamento interno desta organização autoritária e totalitária, onde tudo é controlado, desde a vida sexual e os livros que se lêem, até às relações sociais que se estabelecem.
Como aperitivo, leia-se o trecho seguinte, sobre o autor do livro «Memórias sexuais no Opus Dei»:
  • «Antonio Carlos Brolezzi, 41 anos, de Santo André, viveu dez anos como numerário do Opus Dei (...) No período passado lá, ele afirma ter se mortificado por pensar em sexo - o celibato é exigido para os numerários e numerárias -, ter feito uso, como todos os integrantes devem fazer, do cilício (uma coleira com pinos de metal colocada na perna duas horas por dia), da disciplina (autoflagelação com chicote de nós, uma vez por semana, ou mais) e de ter de vestir para dormir, por poucos dias, um macacão antimasturbação. "Eles nos seduzem e fazem acreditar que aquele mundo é maravilhoso e que nossa vocação é virar santo. Com isso, tiram tudo da gente: o salário, a família, a alma". (...) "Se quiser entrar para a seita, pois considero o Opus Dei uma seita, pelo seu fanatismo, que entre sabendo o que acontece lá. É meu dever como educador".»
  • «Deixei absolutamente tudo. (...) Eles ficam com tudo. No final, você é um nada, está completamente destruído. Mas isso tudo é feito devagar, sem que a pessoa e a família percebam. (...) Tem de se confessar com o sacerdote e com o diretor do centro (...) o diretor pode fazer você usar mais as disciplinas, mais dias por semana e não apenas um, como o exigido. Eu usava quase todos os dias.
    DIÁRIO - Como assim, entregar salário para eles?
    BROLEZZI -
    (...) sequer recebia o salário. Minhas contas bancárias, senhas, cartões eram administrados diretamente pelos diretores do centro.
    DIÁRIO - O sr. nunca pôde comprar uma roupa que você quisesse?
    BROLEZZI - Nunca. Toda vez que o numerário quer comprar uma cueca, por exemplo, tem de ir acompanhado de um outro numerário, que vai pagar com o dinheiro que o secretário do centro libera para compra de cuecas

2 comentários :

Paulo disse...

TEXTO DO EMAIL, ENVIADO A DIVERSAS PESSOAS E INSTITUIÇÕES, ACERCA DO DOCUMENTÁRIO EXIBIDO EM PORTUGAL (NUMA ESTAÇÃO PRIVADA DE TELEVISÃO -SIC- ) NO DIA 13 DE MAIO SOBRE O opus dei.



Ex.mo(a) Senhor(a),


Por este meio quero apresentar o meu veemente e justificado protesto pela reportagem que a SIC exibiu no Jornal da Noite, no passado sábado dia 13 de Maio, sobre o opus dei. Com efeito, tal reportagem permitiu que uma instituição de fins e procedimentos duvidosos(no mínimo!) efectuasse um branqueamento da sua imagem. (Não me admira que, um dia destes, a IURD reclame - legitimamente, aliás - o mesmo direito. Não é por aqui, todavia, que pretendo prosseguir).


A reportagem chocou-me, antes de mais, por ser uma má peça jornalística; por motivos formais, portanto. Os recursos estilísticos e de imagem são banais, antiquados, datados. A não ser que com eles pretendessem fazer uma metáfora da própria instituição retratada ( o que seria excessivamente rebuscado para televisão) sugiro-lhes que estejam atentos ao que se faz por este país fora e no estrangeiro...



Quanto ao conteúdo:


1 – é ponto assente que o opus dei é uma instituição envolta em polémica por muitos motivos e costuma dizer-se que onde há fumo, há fogo. Porém, pouco fumo vimos e fogo... quase nenhum


2 – independentemente do folclore suscitado pelo Código da Vinci, convém recordar que:


– o opus dei recruta, para compromissos tendencialmente totais e vitais, menores que não conhecem(nem poderiam conhecer) aquilo a que se comprometem e aos quais é 'vivamente' aconselhado que nada contem aos seus pais.


– o opus dei manipula os seus membros, por exemplo, devassando a sua intimidade e fazendo uso abusivo das suas confidências de natureza espiritual (ou outras obtidas em contexto de direcção espiritual) ao arrepio do preconizado pela Igreja Católica. Tais dados, além de circularem verbalmente, são objecto de informações escritas, constituindo uma extensa e ilícita base de dados centralizada em Roma. Tanto assim é que se pode afirmar, sem receio de errar, que o cerne da actividade pastoral do opus é a direcção espiritual invasiva, indiscreta e excessiva no seu alcance, exercida sobre os membros.

– os dois pontos precedentes, além de imorais, podem constituir, também, ilícito criminal.


– o opus dei tem uma apetência desmedida pelo capital, pelo luxo, pelo poder de qualquer tipo que, ao contrário do que reiteradamente afirma, é um fim em si mesmo. Como se pode explicar que, em Portugal, por exemplo, onde o opus tem 1400 membros(dados da reportagem SIC), disponha de tanto e tão valioso património imobiliário. ( a propósito dos números: na década de 80 e 90 'èramos' 2000/2200. Onde andam os outros?)


– o opus dei gerou mais ex-membros do que membros. Muitos mais mesmo. Falo de pessoas- entre as quais me incluo pois pertenci ao opus como numerário durante 15 anos – que a dado passo das suas vidas perceberam o logro em que estavam metidas e tiveram a coragem de sair, geralmente'com uma mão à frente e outra atrás', i.e., sem dinheiro, sem relações familiares saudáveis e, muitas vezes, sem trabalho. Estas pessoas, que conhecem a instituição por dentro - como ela é realmente e não como a auto -propaganda a mitifica - primaram pela ausência na reportagem da SIC. Os dois testemunhos (Maria José Figueiredo e Rita Pignatteli) foram ridículos e inqualificáveis pela sua leviandade, superficialidade e alinhamento com a versão oficial do opus.


– O opus dei que penou dezenas de anos à procura de um enquadramento jurídico-canónico consentâneo com a sua natureza e fins, foi erigido em prelatura pessoal em 1982. Acontece, porém, que juristas reputados afirmam, por exemplo, que na nova figura jurídica os leigos não fazem parte 'de iure' da instituição, apenas cooperando orgânicamente com ela. Ou seja estamos perante o paradoxo de uma instituição laical ser composta estritamente por presbíteros. (Esta

questão (que apenas afloro) pode ser aprofundada nalguns interessantes escritos do sítio www.opuslibros.org.)


– o opus dei discrimina as pessoas em função da sua condição social e do sexo. Em relação à condição social: bajula ricos e poderosos e faz de conta que se interessa pelos mais pobres e desvalidos que apenas servem para dar um certo colorido às suas actividades. Com efeito, o confronto com a pobreza é utilizado para suscitar crises vocacionais, apelos à generosidade que é o mesmo que dizer, apelos à entrada na instituição. Em relação ao sexo: é vergonhosa a secundarização praticada relativamente às mulheres que, como dizia o inspirado e misógino Pe. Escrivá, não precisam de ser sábias, bastando que sejam sensatas. Poderia falar também das numerárias auxiliares que são empregadas domésticas tratadas como crianças, sem nenhuma autonomia, etc, etc.



Fico por aqui. Muito mais poderia ser dito mas creio ter referido o suficiente para deixar claro o mau trabalho que a SIC prestou ao País, à Igreja Católica e a todos os cidadãos genuinamente interessados nestas questões. Se não puderam ou não quiseram fazer mais, não sei nem me interessa. Sei apenas que, em termos estritamente jornalísticos, deviam ter feito mais. Muito mais mesmo.( Talvez factos como este expliquem o declínio nas audiências e share)


Hoje em dia – como toda a gente sabe - é muito fácil obter informação graças, nomeadamente, à internet. E é fácil obter informação do próprio opus: não aquela que é projectada para o exterior mas aquela que conforma a vida e a praxis da instituição e que está plasmada nos chamados 'documentos internos', jargão da instituição para designar documentos extensos que regulamentam toda a vida espiritual e material dos seus membros e as suas relações com os demais. Boa parte destes documentos, só acessíveis no opus aqueles que – como dizem- têm 'encargos de governo e/ou formação' (entenda-se, direcção espiritual)) estão disponíveis online, para quem os quiser lêr, no sítio www.opuslibros.org


Estas leituras e este acesso a fontes indiscutivelmente fidedignas (as autoridades centrais da prelatura) só por si bastam para qualquer pessoa poder concluir estarmos em presença de uma instituição que não é o que diz ser.


Tal facto, ainda acentua mais, a gravidade das omissões da SIC na reportagem a que me venho referindo e estas omissões acabam por reverter claramente em favor da instituição sendo, portanto apologéticas (admito que involuntariamente).


Sirva este mail para que, pelo menos, saibam documentar-se melhor em ocasiões futuras.


Com os melhores cumprimentos


Paulo Andrade e Silva

Anónimo disse...

Opus Dei hoy: ¡pásalo!

Me han pedido ayuda para difundir la página que todavía está construyéndose: Opus Dei hoy. Es una web sobre el Opus Dei, pensada para que todo el mundo participe. Tiene varias secciones, pero hay tres especialmente interesantes:

- Opus Dei: testimonios: ensayos, testimonios, anécdotas, vivencias, reflexiones, experiencias, sucesos, historias. Es el lugar indicado para que mandes tu opinón sobre el Opus Dei (algo breve: de 2 a 4 párrafos; y si mandas una foto, mejor).

- Opus Dei: preguntas: preguntas de todo tipo respondidas por expertos.

- Opus Dei: anti: crítica de libros en contra del Opus Dei. Argumentos contra las críticas y ataques.

Si tienes una página o un blog y puedes poner un link a esas tres secciones, te lo agradezco. Opus Dei hoy pondrá un link a todo aquel que les linke.

Manda este mail a todos tus amigos. Pon este comentario en todos los foros o blogs que puedas.

Si no lo haces -por lo que sea- no importa. Seguimos tan amigos.

¡Pásalo!