quinta-feira, 4 de junho de 2015

Afinal quem quer uma Constituição ideológica?

Desde 1976 que a direita acusa a esquerda de se agarrar a uma Constituição «programática», «ideológica» e (entre os neoliberais mais lunáticos) «socialista». Agora, no ano de 2015, a direita no poder propõe uma revisão constitucional destinada a «inscrever um limite à dívida pública na Constituição». Ora, eu não defenderia que lá se colocasse o limite à taxa de desemprego; nem o escalão máximo (ou mínimo) de IRS.  Aliás, nem o PCP iria a esse ponto.

Não existe maior fanatismo ideológico na política portuguesa do que o da coligação Passos & Portas.

Sem comentários :

Enviar um comentário

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.